00:49 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Kim Jong-un, líder da Coreia do Norte

    Militares dos EUA e da Coreia do Sul treinam assassinato de líderes norte-coreanos

    © REUTERS / KCNA
    Mundo
    URL curta
    44615
    Nos siga no

    Os exercícios navais conjuntos dos EUA e da Coreia do Sul incluirão simulações de estratégias para matar os líderes norte-coreanos em caso de ataques por parte de Pyongyang, segundo informou nesta terça-feira (11) um funcionário do Ministério da Defesa sul-coreano.

    A informação foi veiculada pela agência de notícias Yonhap. Segundo a fonte, as manobras envolverão forças de operações especiais.

    Navios militares dos EUA, USS Bonhomme Richard (primeiro de baixo), e USS Boxer (segundo de cima),  participam de exercícios navais com grupo de pronta-resposta da Unidade Anfíbia da Coreia do Sul, em Ssang Yong, 8 de março de 2016
    © REUTERS / Corpo de Fuzileiros dos EUA/Cpl. Darien J. Bjornda
    Os exercícios navais Invincible Spirit, que começaram na segunda-feira (10), se prolongarão por seis dias e acontecerão no Mar do Japão e no Mar Amarelo, em meio a relatos de que a Coreia do Norte estaria se preparando para testar sua sexta bomba nuclear ou outro míssil de longo alcance.

    O porta-aviões nuclear USS Ronald Reagan, baseado em Kanagawa, Japão, irá se juntar a dezenas de navios de guerra e submarinos para os exercícios navais em grande escala, os primeiros do tipo desde julho de 2010.

    Os EUA têm 28.500 soldados estacionados na Coreia do Sul e cerca de 50.000 baseados no Japão.

    Mais:

    Coreia do Norte afirma que não pretende usar armas nucleares em primeiro lugar
    Coreia do Sul adverte sobre preparativos para novo teste de míssil na Coreia do Norte
    EUA e Coreia do Sul realizam simulação de exercícios de ataque contra Coreia do Norte
    Coreia do Norte pode recorrer a provocações durante eleições nos EUA
    Tags:
    mísseis, teste nuclear, exercícios navais, Kim Jong-un, EUA, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar