03:12 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    O homem público, ex-imã e pregador Fethullah Gulen

    Pressão de Erdogan sobre Obama: uma base aérea pela extradição do clérigo Gulen

    © AP Photo / Selahattin Sevi, File
    Mundo
    URL curta
    14111
    Nos siga no

    A notícia de que o clérigo turco Fethullah Gulen poderá pedir asilo político ao Brasil provocou intensa repercussão. Gulen, que vive nos Estados Unidos desde 1999, é considerado pelo presidente da Turquia, Recep Tayyp Erdogan, como o seu inimigo número um.

    Clérigo muçulmano Fethullah Gulen
    © REUTERS / Courtesy Selahattin Sevi/Zaman Daily via Cihan News Agency/Handout
    A divulgação da notícia de que Fethullah Gulen poderá pedir asilo político ao Brasil ou ao Canadá ou ainda à Bélgica foi publicada pelo jornal turco Hurryet, citando o ministro da Justiça da Turquia, Bekir Bozdag, como fonte. Segundo Bozdag, a Inteligência turca levantou a informação de que Gulen estaria pensando em pedir asilo a um destes três países.

    Ex-aliado do Presidente Recep Tayyp Erdogan e hoje seu inimigo político número um, Fethullah Gulen vive na Pensilvânia, de onde comanda o movimento Hizmet, que reúne nos Estados Unidos mesquitas e centenas de instituições de ensino voltadas para a difusão da cultura muçulmana.

    Erdogan acusa Gulen de ser o mentor intelectual da insurreição militar de 15 de julho de 2016, que, segundo o presidente turco, tentou afastá-lo do poder. Desde então, 32 mil pessoas foram presas na Turquia, entre militares, juízes, procuradores, advogados, professores e várias outras categorias profissionais.

    Especialista em políticas dos países da África e do Oriente Médio na Universidade Federal Fluminense, o Professor Jonuel Gonçalves comenta a questão para a Sputnik:

    "A possível motivação de Fethullah Gulen para pedir asilo a um destes três países [Brasil, Bélgica ou Canadá] é a sua percepção de a Turquia exercer pouca ou mesmo nenhuma pressão sobre estes parceiros."

    Já nos Estados Unidos, segundo o especialista da UFF, "Gulen pode estar se sentindo intranquilo devido às constantes pressões de Recep Tayyp Erdogan sobre Barack Obama, para que o clérigo seja preso e extraditado para a Turquia. Uma destas formas de pressão é a ameaça de Erdogan de retirar a permissão para que a Força Aérea dos Estados Unidos continue utilizando a Base Aérea de Incirlik como apoio para incursão dos seus aviões contra as posições do Estado Islâmico [o Daesh] na Síria e no Iraque."

    A Base Militar de Incirlik é operada em conjunto pelas Forças Aéreas da Turquia e dos Estados Unidos. A Base fica próxima à vila de mesmo nome, situada a cerca de 12 quilômetros a leste de Adana (quarta maior cidade da Turquia) e a 56 quilômetros da costa do Mediterrâneo. Pela sua proximidade com Iraque, Irã e Armênia, é considerada altamente estratégica pela OTAN – Organização do Tratado do Atlântico Norte.

    Jonuel Gonçalves lembra ainda que, se Fethullah Gulen de fato formalizar o seu pedido de asilo ao Brasil, o Ministério das Relações Exteriores terá de se manifestar, levantando os antecedentes do clérigo e descartando qualquer possibilidade de ele exercer atividades ligadas ao terrorismo, conforme o acusa Erdogan.

    Mais:

    Gulen não acredita que será extraditado dos EUA para Turquia
    Turquia, Rússia, Síria e Irã unidos podem fazer os EUA recuar no Oriente Médio
    Partidos e organizações turcas demandam fechar base da OTAN em Incirlik
    Tags:
    tentativa de golpe, pedido, asilo, extradição, base aérea, Fetullah Gulen, Recep Tayyip Erdogan, Barack Obama, Incirlik, Bélgica, Turquia, Canadá, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar