03:05 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    251
    Nos siga no

    Não há propostas internacionais para impor sanções à Rússia devido ao seu papel na Síria, afirmou um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha nesta quarta-feira (5), pouco antes de uma reunião internacional convocada em Berlim para discutir a crise no país árabe.

    "No momento, eu não conheço ninguém, seja em Berlim ou em qualquer outro lugar, que tenha tais propostas", disse o porta-voz em entrevista coletiva, quando questionado sobre a possibilidade de sanções antirrussas.

    Altos funcionários dos EUA, da Grã-Bretanha, da França, da Itália e da Alemanha se reúnem hoje em Berlim para discutir meios de conter o conflito na Síria. O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, se reunirá mais tarde com o enviado especial das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura.

    "As discussões incidirão sobre a questão de como melhorar a situação humanitária [na Síria]", disse o ministério alemão.

    Na segunda-feira (3), os EUA unilateralmente romperam contatos com a Rússia para a implementação de um cessar-fogo na Síria, acusando Moscou de não respeitar os termos do acordo alcançado no último dia 9 de setembro entre o secretário de Estado John Kerry e o chanceler russo Sergei Lavrov. A chancelaria russa lamentou a decisão e reafirmou a disponibilidade para retomar a via da resolução política para o conflito.


    Mais:

    EUA não excluem sanções contra a Rússia em caso de fracasso diplomático
    Casa Branca:'sanções se revelaram um instrumento útil para promoção dos nossos interesses'
    Políticos italianos visitam a Crimeia em apoio ao levantamento das sanções antirrussas
    Grã-Bretanha pode impor novas sanções à Rússia
    Parlamentar europeu: UE deve desistir das absurdas sanções contra Rússia
    Tags:
    propostas, situação humanitária, cessar-fogo, crise, conflito, guerra, sanções, EUA, Berlim, Alemanha, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar