12:33 20 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Cerca de arame farpado erguida na fronteira entre Sérvia e Hungria

    Referendo húngaro sobre cotas da UE para imigrantes não será reconhecido

    © Sputnik / Ana Otasevic
    Mundo
    URL curta
    0 11

    Menos de 40% da população com direito de voto da Hungria votou durante o referendo sobre cotas da União Europeia para imigrantes, informou neste domingo o site do Comitê Eleitoral do país.

    Desse modo, os resultados do pleito não serão válidos, pois era necessário o comparecimento de, no mínimo, 50% dos eleitores. 

    Segundo os resultados preliminares, publicados pelo Comitê, 37,88% dos votos (cerca de 3,1 milhões de pessoas) foram considerados válidos, enquanto 62,12% da população (quase 7,7 milhões de pessoas) ou não votaram, ou seus votos não foram considerados válidos.

    A votação foi organizada para responder a seguinte pergunta: "Você deseja que a União Europeia possa prescrever o estabelecimento obrigatório de cidadãos não-húngaros na Hungria, mesmo sem o consentimento do Parlamento do país?”. Segundo o Comitê Eleitoral, 1,79% dos votantes responderam sim, enquanto 98,21% disseram não.

    Segundo o plano da Comissão Europeia, a Hungria deverá receber 2,3 mil imigrantes ao longo dos próximos 2 anos.

    Em 2015, cerca de 400 mil refugiados e imigrantes cruzaram o território húngaro que, em sua maioria, se dirigiam para Áustria, Alemanha e outros países da Europa Ocidental. Depois desses eventos, as autoridades do país construíram um muro na fronteira sul e intensificaram o controle de fronteiras. Budapeste afirma que o plano europeu viola a soberania da Hungria. 

    Mais:

    Premiê da Hungria, ao comentar Brexit, afirmou não existir um 'povo europeu'
    Hungria reduzirá espaço e subsídios para refugiados
    Hungria anuncia referendo sobre cotas de refugiados impostas por Bruxelas
    Hungria fecha fronteira com a Croácia para conter fluxo de imigrantes
    Tags:
    referendo, refugiados, imigrantes, UE, Hungria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik