09:01 19 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Águia-americana

    Moscou repudia 'chantagem e intimidação' dos EUA sobre posição russa na Síria

    © flickr.com/ Norbert Posselt
    Mundo
    URL curta
    64260

    Moscou classificou de chantagem e de intimidação as declarações de representantes do Departamento de Estado dos EUA, de que a operação russa na Síria pode provocar atentados terroristas em território russo, disse nesta sexta-feira o vice-ministro das Relações Externas, Mikhail Bogdanov.

    “Repudiamos qualquer forma de intimidação e de chantagem, esse não é o linguajar apropriado entre parceiros", disse o vice-ministro russo.

    Bogdanov salientou que "o terrorismo é o nosso inimigo comum”.

    "Se observarmos o que está acontecendo na Europa ou os EUA — explosões nos aeroportos, em Istambul, em Paris, os ataques na Bélgica — isso também são conseqüências do que se observa no Oriente Médio, uma resposta dos terroristas às nossas atividades, ao que precisamos fazer em conjunto para eliminar esta ameaça”, disse Bogdanov.

    Na quarta-feira, o porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby, disse, se referindo à ofensiva das tropas do governo sírio, apoiada por Moscou, que se os confrontos na Síria continuarem, os terroristas começariam a atacar as cidades russas, e que a Rússia "receberia os seus militares em sacos para cadáveres”, além de “continuar a perder recursos e, possivelmente, aviões".

    O ministério de Relações Externas da Rússia classificou as observações de Kirby de convocação para os terroristas.

    Mais:

    EUA não excluem sanções contra a Rússia em caso de fracasso diplomático
    Rússia e EUA na Síria – percebe a diferença?
    Ainda existem chances de reviver acordo entre Rússia e EUA sobre Síria
    O que eles querem? EUA divulgam normas sobre proibição de cooperação com a Rússia
    Rússia responde à ameaça dos EUA de romper cooperação na Síria
    Tags:
    chantagem, intimidação, Departamento de Estado, John Kirby, Mikhail Bogdanov, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik