02:31 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    A cidade síria de Aleppo distruida pelos ataques aéreos, 24 de setembro de 2016

    EUA acusam Moscou e Damasco de ‘minar’ o acordo sobre Síria

    © AFP 2017/ KARAM AL-MASRI
    Mundo
    URL curta
    27013

    O acordo de cessar-fogo na Síria, celebrado ente os EUA e a Rússia, está prestes a ruir graças às ações de Moscou e de Damasco, disse à Sputnik secretário de Estado adjunto dos Estados Unidos, Antony Blinken.

    "É realmente trágico que o acordo, no qual tanto trabalhamos, um acordo que poderia trazer avanços, seja fatalmente prejudicada pelas ações do regime (sírio) e da Rússia", disse Blinken.

    O diplomata disse que a ofensiva do exército da Síria em Aleppo ressalta a "tragédia" do fracassodo cessar-fogo, acordado entre os EUA e a Rússia no âmbito do Grupo de Apoio Internacional para a Síria.

    Ele fez as declarações um dia depois do Secretário de Estado, John Kerry, em uma conversa por telefone com o chanceler russo, Sergei Lavrov, ter dito que Washington está disposto a suspender a cooperação com Moscou na Síria, se a Rússia não adotar medidas imediatas para parar a ofensiva do exército do governo em Aleppo e restaurar o cessar-fogo, declarado no dia 12 de setembro.

    A porta-voz do ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova disse em resposta que "a renúncia de Washington em cooperar com a Rússia na Síria" será "um presente dos sonhos para os terroristas" e uma prova de que "a Casa Branca tem os radicais embaixo da sua asa”.

    Mais:

    EUA: 'não conseguiremos impedir outras forças de armar a oposição síria'
    EUA 'investiram demasiado na oposição síria para serem capazes de voltar atrás'
    Putin e Merkel discutem acordo entre Rússia e EUA sobre Síria
    Kerry contraria evidências e diz que EUA não querem guerra com Síria
    Síria acusa EUA de contínuas tentativas de derrubar Assad militarmente
    Tags:
    relações internacionais, Guerra Civil Síria, Departamento de Estado, Antony Blinken, Rússia, EUA, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik