09:48 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Prisão de Guantánamo

    Rússia: OSCE não pode silenciar sobre Guantánamo

    © AP Photo/ Charles Dharapak
    Mundo
    URL curta
    329421

    Se o Escritório para Direitos Humanos e Instituições Democráticas da OSCE pretende ter objetividade, não pode encobrir a questão das graves violações de direitos humanos na prisão dos EUA em Guantánamo. É o que afirma o representante da delegação russa na cúpula da OSCE em Varsóvia, Nikolai Kalashnikov.

    A afirmação do princípio do estado de direito deve estar permanentemente no foco de atenção dos estados-membros da OSCE e permanecer sendo a mais importante direção da nossa cooperação", afirmou ele, observando que um das mais gritantes violações de direitos humanos é a prisão americana de Guantánamo. 

    "Em alguns meses o presidente dos EUA, Barack Obama, deixará seu cargo, não cumprindo com a sua promessa de fechar a desumana insituição. A OSCE deve colocar um limite para graves violações de direitos humanos", observou. 

    Segundo ele, "se o Escritório para Direitos Humanos e Instituições Democráticas da OSCE pretende ser objetivo, não pode silenciar sobre este problema", afirmou o representante da delegação russa.    

    A base de Guantanamo é alugada pelos EUA desde 1903, através de um acordo de arrendamento perpétuo que só pode ser rescindido mediante um acordo entre ambas as partes.

    Em fevereiro, o presidente Barack Obama enviou ao congresso um plano para fechar de uma vez por todas a polêmica prisão de Guantánamo e transferir os mais de 90 detentos que estão lá para outro local. Mas muitos parlamentares ainda se opõem à medida.

    Mais:

    Casa Branca diz que Obama ainda espera conseguir fechar Guantánamo
    Moscou espera pronta libertação do último cidadão russo preso em Guantánamo
    Autoridades americanas anunciam que prisioneiro russo já pode deixar Guantánamo
    Hollande rejeitou proposta para criar uma 'Guantánamo' francesa
    Tags:
    direitos humanos, Guantánamo, OSCE, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik