08:42 21 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Tabare Vazquez

    'Uruguai é, nesse momento, o melhor interlocutor do Mercosul para negociações com a UE'

    Pablo Porciuncula/AFP
    Mundo
    URL curta
    221

    Aproveitando a 71ª Assembleia Geral da ONU que acontece em Nova York, chanceleres do Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai fizeram a primeira reunião do Mercosul sem a presença de representante da Venezuela. No encontro, foi decidido que o Uruguai será o país que negociará, em nome do bloco, a reaproximação comercial com a União Europeia (UE).

    Participaram do encontro o ministro José Serra, a chanceler Susana Malcorra (Argentina), Rodolfo Nin Novoa (Uruguai) e Eladio Loizaga (Paraguai). Na nota oficial após a reunião, destacam a necessidade de dar novo impulso às negociações que acontecerão de 10 a 14 de outubro em Bruxelas, durante a 26ª Sessão do Comitê de Negociações Regionais. As conversações para um acordo entre os dois blocos estão emperradas desde 2004 e desde lá praticamente não houve avanços. Um dos motivos é a resistência de alguns países europeus, entre eles a França, que não concordam com a retirada de subsídios aos seus agricultores.

    Tabaré Vázquez agradeceu o Brasil pela valorização do papel desempenhado pelo Uruguai no Mercosul e defendeu que os países-membros do Mercosul busquem acordos bilaterais fora do bloco com outros países. Na segunda-feira, o presidente Michel Temer encontrou com Vazquez, “fazendo as pazes” entre os dois países após a polêmica diplomática ocorrida quando o chanceler Rodolfo Novoa deu uma entrevista a um jornal local afirmando que o Brasil estava pressionando o Uruguai a endurecer posição em relação à Venezuela.

    Para o deputado federal Saguas Moraes (PT-MT) e integrante do Parlamento do Mercosul (Parlasul), a aparente mudança de postura do Uruguai tem motivos.

    "O Uruguai é um país com um território pequeno, com uma economia pequena e que depende das relações com os países do Mercosul. Uma vez o Uruguai percebendo a intransigência do Brasil, da Argentina e do Paraguai com relação à Venezuela, resolveu assumir a possibilidade de se voltar ao bloco, ao mesmo tempo tentar fazer uma aproximação com a Venezuela no sentido de garantir as condições para que ela permaneça no bloco e desfazer a ação ditatorial de Argentina, Brasil e Paraguai que impediu que a Venezuela assumisse a presidência interina do Mercosul."

    Moraes admite que, no momento, o presidente uruguaio é o mais indicado, dentro do Mercosul, para negociar com os europeus.

    "Ele (Tabaré Vázquez) é um presidente aberto, sucessor do Mujica, tem construído um governo com maior abertura, um governo mais de centro-esquerda. Ele estando na articulação desse bloco, vai tentar conciliar essas ações para que a Venezuela permaneça. Brasil, Argentina e Paraguai não têm muito interesse pelo Mercosul, querem se entregar ao mercado americano, não querem o fortalecimento do bloco. Precisava que ele (Tabaré) assumisse esse papel para manter vivo o bloco e avançar nas negociações com o Mercado Comum Europeu. Se a gente retardar isso, vai dificultar ainda mais. É importante ampliar nossa relação não só com os Estados Unidos, os Brics, mas também com a Europa." 

    Mais:

    Serra: Acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia sai em até dois anos
    Venezuela rejeita ultimato da 'Tríplice Aliança' Brasil-Argentina-Paraguai sobre Mercosul
    Tags:
    presidência interina, acordo comercial, subsídios, agricultura, negociações, Parlasul, Conselho da UE, Mercosul, BRICS, ONU, Eladio Loizaga, Susana Malcorra, Rodolfo Nin Novoa, José Serra, Tabaré Vázquez, Nova York
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik