10:05 16 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Eslogan en apoyo del presidente Evo Morales pintado en una pared en La Paz, Bolivia, 2014

    Deputado boliviano repudiou declarações de José Serra, a quem chamou de criminoso

    © AP Photo/ Juan Karita
    Mundo
    URL curta
    801744249

    O deputado boliviano da coligação governista MAS, Movimento Ao Socialismo, Javier Zavaleta, criticou duramente nesta segunda-feira as declarações do ministro das Relações Exteriores do Brasil, José Serra, que sugeriu aos governos da Bolívia e do Equador aprender a fazer democracia.

    "Que esses criminosos que estão no Brasil resolvam antes os seus problemas com a lei, antes de virem falar sobre política internacional", disse Zavaleta à imprensa local.

    Serra havia declarado neste fim de semana ao jornal espanhol El País que "particularmente, Bolívia e Equador poderiam aprender a fazer da democracia, ao olhar para o que aconteceu no Brasil".

    Para Zavaleta, citado pela agência oficial Boliviana de Informação (ABI), "O Brasil de hoje, após o golpe, conta com um governo de criminosos comuns. Não deixaremos que esses criminosos venham nós ensinar a fazer democracia, política ou ideologia."

    Na semana passada, o Senado brasileiro destituiu, por 61 votos a 20, a presidenta Dilma Rousseff do seu cargo, provocando imediato repúdio das autoridades da Venezuela, Equador e Bolívia.

    O governo boliviano manifestou seu repúdio em nota oficial e ao que classificou de "golpe parlamentar" contra Dilma Rousseff, e convocou o seu embaixador no Brasil.

    Mais:

    Criolo denuncia golpe durante show em Portugal: 'Não vamos nos calar!'
    São Paulo tem manifestação contra golpe, Temer e violência policial
    Golpe 'made in USA': Queda de Dilma foi ordenada por Wall Street?
    Protesto no Centro do Rio critica golpe e presta solidariedade à Venezuela e ao Brasil
    'Golpe contra Dilma é golpe contra toda América Latina'
    Tags:
    golpe parlamentar, golpe de Estado, Dilma Rousseff, Javier Zavaleta, José Serra, Brasil, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik