10:30 15 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, cumprimenta o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Marc Ayrault, no Kremlin, Moscow, 19 de abril, 2016

    França exorta Rússia a promover solução política na Síria após relatos de ataques químicos

    © AFP 2019 / KIRILL KUDRYAVTSEV
    Mundo
    URL curta
    1313
    Nos siga no

    O chanceler francês, Jean-Marc Ayrault, conclamou a Rússia neste sábado (26) a promover a solução política do conflito sírio, na sequência do relatório da ONU sobre os ataques químicos no país árabe.

    Na quarta-feira (24), as Nações Unidas e a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) divulgaram os resultados de uma investigação conjunta sobre ataques com armas químicas na Síria em 2014 e 2015. Segundo o relatório, o governo sírio supostamente estaria envolvido em dois ataques e o Daesh (autodenominado Estado Islâmico), em um ataque.

    "O regime sírio eo Estado Islâmico competem em atrocidades. O uso de tais armas é ilegal e não tem qualquer apoio moral, inclusive por parte daqueles que apoiam Damasco. Ninguém quer que ataques químicos tornem-se uma coisa habitual. O lado russo deve clarificar a sua posição e, ao mesmo tempo, aproveitar para recorrer para a resolução política", disse Ayrault em entrevista ao jornal Le Monde.

    À luz do relatório da ONU, a Rússia e os Estados Unidos concordaram em trabalhar em conjunto para desenvolver uma abordagem comum para novas ações, de acordo com o representante permanente da Rússia nas Nações Unidas, Vitaly Churkin.

    Mais:

    Daesh utiliza armas químicas na área de Mossul contra exército iraquiano
    Daesh volta a usar armas químicas em Aleppo
    Adversários de Assad pretendem acusar a Rússia de usar armas químicas na Síria
    Ataque do Daesh em Raqqa termina com uso de armas químicas
    Rússia já destruiu 93% de suas armas químicas
    Rússia e EUA vão trabalhar juntos no relatório sobre ataques químicos na Síria
    Tags:
    ataques, armas químicas, OPAQ, Estado Islâmico, Daesh, ONU, Vitaly Churkin, Jean-Marc Ayrault, Síria, França, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar