05:01 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Posto de controle criado para prevenir saídas não autorizadas dos ossetos para a Geórgia perto de Tskhinval, 16 de agosto de 2008 (foto de arquivo)

    Geórgia espera rever resultados da crise de 2008 com Rússia

    © Sputnik / Maksim Avdeev
    Mundo
    URL curta
    10114

    O primeiro-ministro da Geórgia Georgy Kvirikashvili e o presidente Georgy Margvelashvili esperam que a Abkházia e a Ossétia do Sul façam de novo parte da república.

    Os dois líderes colocaram coroas de flores sobre os túmulos dos que morreram durante o conflito de 2008, prestando-lhes homenagem. Da cerimónia participaram também representantes do gabinete de ministros, do Estado-Maior do Exército georgiano e organizações não governamentais.

    "Com efeito, reintegraremos [as repúblicas] na Geórgia não por meios militares, mas pacíficos", declarou o presidente.

    O primeiro-ministro apoiou a sua declaração.

    "Apesar do fato de a guerra ter durado apenas alguns dias, o nosso país sofreu um grande choque. Honro todos os militares que foram vítimas da guerra… Não há alternativas à reunificação pacífica do país", disse Kvirikashvili aos jornalistas.

    O ex-ministro da Defesa georgiano, o oposicionista Irakly Alasania, destacou que a Geórgia deve obter novo equipamento militar, assegurar sua segurança aérea e ter laços estreitos com a OTAN "para que [a Geórgia] seja capaz de se defender em caso de emergência".

    Em 2008, as tropas georgianas atacaram a Ossétia do Sul e destruíram parte da sua capital. A Rússia, disposta a proteger os habitantes da república, muitos dos quais tinham obtido a cidadania russa, enviou suas tropas e desalojou os militares georgianos. A Rússia presta ajuda à Ossétia do Sul no processo de recuperação de sua economia. A outra antiga autonomia georgiana, a Abkházia, também recebe assistência russa. Depois da guerra de 5 dias na Ossétia do Sul, a Rússia reconheceu a soberania das duas antigas autonomias que faziam parte da Geórgia.

    Tags:
    revisão, independência, conflito, Abkházia, Ossétia do Sul, Geórgia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar