16:32 21 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Deborah Lee James, a secretária da Força Aérea dos EUA

    Secretária da Força Aérea dos EUA chamou a Rússia de ameaça número um

    © AP Photo/ Andrew Harnik
    Mundo
    URL curta
    603249331

    Deborah Lee James, a secretária da Força Aérea dos EUA chamou a Rússia de ameaça número um para os EUA, no ar do canal Fox News.

    "Eles têm armas nucleares, se têm comportado de forma bastante agressiva durante os últimos anos, estão investindo no desenvolvimento de suas capacidades militares e as testam", explicou James.

    Segundo ela, isto provoca preocupação dos EUA e seus aliados.

    A secretária visitou recentemente a Ucrânia e disse que o povo ucraniano "sofre da anexação ilegal da Crimeia'. "O regime de cessar-fogo é violado de todos os modos na parte oriental do país, as pessoas estão sofrendo e morrendo, está acontecendo uma destruição e isso acontece em parte por causa das ações da Rússia", acrescentou.

    James não indicou qual o lado que, concretamente, viola o cessar-fogo no Leste da Ucrânia e como estes eventos estão ligados com a Rússia.

    James está entre muitos representantes do Ocidente que chamam a Rússia de sua principal ameaça, acusando-a de agressão — em particular, de que as forças russas são supostamente envolvidas nos acontecimentos no Leste da Ucrânia e de que a Crimeia aderiu ilegalmente à Rússia.

    No entanto, a península se aderiu para a Rússia segundo os resultados de um referendo em que 96,77% dos residentes locais votaram a favor de adesão (esta percentagem corresponde a 1.233.002 residentes locais).

    No que se refere à guerra em Donbass, o envolvimento no conflito e a ajuda às milícias populares têm sido repetidamente negados pela Rússia.

    Mais:

    Hungria: a Rússia não ameaça a OTAN
    Daesh ameaça Putin e Rússia em novo vídeo
    Mídia: aproximação entre Rússia e Turquia ameaça Ocidente
    Tags:
    arma nuclear, adesão, ameaça, Deborah Lee James, Crimeia, EUA, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik