15:08 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Lançamento da segunda linha do gasoduto Nord Stream

    EUA profetizam colapso da economia da Ucrânia por causa do novo gasoduto russo

    © Sputnik/ Aleksei Kudenko
    Mundo
    URL curta
    77483645

    Um representante especial dos EUA para assuntos de energia atómica, Amos Hochstein, julga que, caso o projeto Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2) se realize, a economia da Ucrânia se desmoronará.

    Falando aos jornalistas da edição EurAktiv, Hochstein sublinhou que a Ucrânia perderá receitas no valor de 2 bilhões de dólares (R$ 6,3 bilhões) se deixar de efetuar o trânsito do gás russo.

    "Serão retirados dois bilhões de dólares da economia instável da Ucrânia, no momento em que a comunidade internacional tenta apoiar Kiev. Como será possível se refazer depois disso? É absolutamente impossível. A economia se desmoronará", disse o funcionário norte-americano.

    O representante de Departamento de Estado considera que o Corrente do Norte 2 não é um pequeno projeto isolado. Este terá grande influência em toda a Europa e reestabelece a linha que dividia a Europa durante a Guerra Fria, não em sentido militar, mas em sentido económico.

    "Não acho que isto corresponda aos interesses dos EUA", concluiu Hochstein.

    O projeto de gasoduto conjunto da Rússia e de várias empresas europeias irá levar o gás russo através do território alemão a outros países da Europa de Leste. O gigante energético Gazprom prevê que o projeto seja realizado até finais de 2019.

    Mas nem todos os países aprovam o novo gasoduto russo. O presidente polaco Andrzej Duda declarou que o projeto ameaça a segurança energética da Europa e visa minar o trânsito tradicional de gás pelo território da Ucrânia.

    Mais:

    Projeto de gasoduto Corrente Turca pode ser realizado no futuro mais próximo
    Putin fala sobre o futuro do gasoduto South Stream
    UE inicia construção de Gasoduto Trans-Adriático para reduzir dependência da Rússia
    Tags:
    gasoduto, economia, Corrente do Norte 2, Europa, Alemanha, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik