17:02 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Um manifestante de máscara durante os protestos depois de publicação do relatório Chilcot

    Hamas põe em dúvida necessidade de enviado especial Tony Blair

    © REUTERS/ Peter Nicholls
    Mundo
    URL curta
    0 29421

    O Movimento de Resistência Islâmica Hamas palestino pensa que não haverá no futuro nenhum papel positivo para o enviado especial do Quarteto do Oriente Médio Tony Blair, em particular no que diz respeito à troca de prisioneiros.

    Respondendo à pergunta por que o movimento decidiu parar qualquer cooperação futura com o ex-primeiro-ministro do Reino Unido, o porta-voz disse que "[Tony Blair] claramente tomou o lado da ocupação israelense".

    O Quarteto do Oriente Médio é um grupo de países e entidades supranacionais constituído por Rússia, Organização das Nações Unidas, Estados Unidos e União Europeia. O grupo foi criado em 2002 com o objetivo de mediar o chamado "processo de paz" entre Israel e Palestina.

    Blair ocupou o cargo de enviado especial em 2007, alguns dias depois de ele se afastar do cargo de primeiro-ministro britânico. Ele foi encarregado de ajudar a desenvolver a economia palestina e melhorar a governança nos territórios palestinos ocupados.

    No entanto, os críticos de Blair questionaram sua nomeação, focando em particular no seu papel na invasão catastrófica do Iraque em 2003, que muitos consideram um declínio para o lado israelense.

    O escritor palestino Jafar Ramini comenta a situação para a agência Sputnik:

    "Desde o início, a nomeação de Tony Blair para o cargo de negociador entre os israelenses e os palestinos foi uma ação lamentável. Ele é um militarista e desde o início que ele está jogando a cartada de Israel e apoia o lado deles".

    Ramini assinala que Tony Blair "não tem sido eficaz no seu papel, tudo o que ele fez foi ajudar Israel a consolidar seu poder em Gaza, roubar o gás da costa de Gaza, roubar o peixe das águas de Gaza", disse.

    "Nenhum dos líderes ocidentais irá fazer qualquer coisa para o benefício dos palestinos. Todos eles ajudam a garantir apenas a supremacia de Israel."

    Como resultado direto do bloqueio israelense, de acordo com as Nações Unidas, em 2015 o desemprego entre os jovens em Gaza atingiu os 60%, e 80% das famílias de Gaza ficaram dependentes da distribuição de produtos alimentícios por parte de agências internacionais, de acordo com organizações de direitos humanos, sem este apoio os palestinos podiam literalmente morrer de fome.

    Caso o Hamas rejeite aceitar Tony Blair como enviado especial, é provável que ele continue a desempenhar um papel de conselheiro do governo israelense.

    Mais:

    Ex-chefe da inteligência de Israel explica como travar terroristas solitários
    Israel avança planos para construir 770 novos assentamentos em territórios ocupados
    Palestina é a primeira do mundo árabe a assinar Declaração sobre Liberdade de Imprensa
    Palestina confirma conferência sobre conflito com Israel
    Palestina pode se juntar a Interpol antes de 2017
    Tags:
    disputa territorial, relações internacionais, Tony Blair, Palestina, Israel, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik