12:50 22 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    4812616
    Nos siga no

    A redução de recursos dos norte-americanos e seus aliados terá um impacto negativo sobre o papel dominante dos EUA no mundo.

    Dentro de 20 anos a Rússia e a China poderão atingir ou mesmo superar o nível dos EUA e seus aliados nas áreas militar e econômica, diz o relatório Ambiente operacional conjunto 2035 (JOE 2035), divulgado pelo centro de pesquisa do Pentágono.

    O documento preparado pelo Pentágono indica que a partir de 2035 a formação de uma ordem mundial parecida com a que existia depois da Guerra Fria será impossível.

    Entretanto, a influência de países como a China, a Rússia, a Índia, o Irã e o Brasil crescerá de forma permanente. Estes países, chamados no relatório como "Estados revisionistas", estão "cada vez mais dessatisfeitos com sua posição dentro do sistema de relações internacionais existente".

    O relatório nota que a redução de recursos dos EUA e seus aliados afetarão o papel dominante de Washington no mundo. Ao mesmo tempo, os países mencionados podem concluir acordos de alianças alternativas.

    Em particular, Moscou continuará aperfeiçoar suas forças nucleares intercontinentais de baseamento terrestre, aéreo e marítimo, bem como realizar atividades como exercícios nucleares de surpresa e voos de bombardeiros e aviões de reconhecimento sobre o território dos EUA.

    O relatório conclui que no futuro, além do progresso tecnológico e científico, a paridade entre os atores mundiais será reforçada, enquanto os adversários potencias estarão à altura de "pôr em causa mais eficazmente os interesses globais dos Estados Unidos".

    Mais:

    Pentágono: EUA conduzem ataques na Líbia a pedido do governo local
    Pentágono: Rússia e EUA debateram segurança de suas missões após incidente na Síria
    Pentágono afirma que ações da Rússia na Síria 'contribuem para continuação da guerra'
    Tags:
    supremacia, armas, potencial nuclear, Pentágono, Brasil, China, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar