01:59 13 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 02
    Nos siga no

    Os EUA realizaram ataques aéreos na Líbia nesta segunda-feira (1º) a um pedido do governo líbio apoiado pela ONU, a fim de atingir o reduto do Daesh (autodenominado Estado Islâmico) em Sirte, segundo anunciou o Pentágono.

    Embora os norte-americano já tenham realizado ataques aéreos sobre alvos específicos do grupo terrorista na Líbia, a ação de hoje marcou o primeiro ataque conhecido dos EUA em Sirte.

    "A pedido do Governo líbio de Acordo Nacional (GAN), os militares dos Estados Unidos realizaram ataques aéreos de precisão contra alvos [do Daesh] em Sirte, Líbia, para apoiar as forças afiliadas ao GAN que procuram derrotar [o Daesh] em seu reduto principal na Líbia", disse o secretário de imprensa do Pentágono, Peter Cook, em comunicado.

    Os ataques aéreos sobre a cidade "vão continuar", acrescentou Cook, sem dar mais detalhes.

    O presidente norte-americano Barack Obama autorizou os bombardeios seguindo recomendações de altos funcionários do Pentágono, e os ataques foram "compatíveis com a nossa [dos EUA] abordagem de combater o [Daesh] trabalhando com forças locais capazes e motivadas", disse o secretário de imprensa.

    Um alto funcionário do governo dos EUA disse que a atuação do país se limitaria a ataques aéreos e partilha de informações, e que as tropas norte-americanas não tomariam parte em quaisquer operações terrestres para apoiar o GAN. 

    Mais:

    Líbia convoca embaixador francês em protesto contra intervenção militar
    Para que serve a intervenção não autorizada na Líbia?
    Missão na Líbia: França ataca Daesh em todas as frentes
    Ataque aéreo da Líbia mata comandante da Al-Qaeda e cinco guarda-costas
    Tags:
    terrorista, reduto, bombardeio, ataques aéreos, pedido, intervenção, ataque aéreo, Estado Islâmico, Daesh, Governo de Acordo Nacional, Pentágono, Barack Obama, Peter Cook, EUA, Líbia, Sirte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar