08:12 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, durante discurso na Assembleia Geral da ONU, nesta quinta-feira, 1 de outubro de 2015

    Premiê israelense critica países europeus por apoiarem grupos que 'incitam contra Israel'

    © AFP 2017/ TIMOTHY A. CLARY
    Mundo
    URL curta
    6549

    O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, acusou França e outros países europeus de "incitar" contra o Estado Judeu.

    Para isso, Netanyahu aproveitou algumas recentes declarações do primeiro-ministro da França, Manuel Valls, que esta semana se mostrou a favor de proibir temporariamente o financiamento externo de mesquitas na França.

    Netanyahu comparou estas palavras de Valls com a lei que, no início de julho, aprovou o Kneset (parlamento de Israel) para limitar as ações de grupos israelenses de direitos humanos que denunciam a ocupação militar dos territórios palestinos. Vários parlamentares europeus têm denunciado essa lei, por considerarem que limita as atividades desses grupos.

    "Descobrimos que há países europeus, incluindo a França, que apoiam várias organizações que incitam e apelam ao boicote de Israel e não reconhecem o direito à existência do Estado de Israel", disse Netanyahu.

    "Em breve, vamos completar uma pesquisa e vamos apresentar ao Governo francês seus resultados. Vamos discutir este assunto com eles, porque terrorismo é terrorismo em todas as partes, e a incitação é incitação e parece ser global, e deve ser tratada da forma mais uniforme possível entre governos", acrescentou o primeiro-ministro israelense.

    Mais:

    Três dias de luto declarados em França depois do atentado em Nice
    Palestina confirma conferência sobre conflito com Israel
    Palestina: mundo precisa ver que Israel rejeita iniciativa de paz
    Secretário-Geral da ONU acusa Israel de continuar construindo assentamentos
    Tags:
    acusações, disputa territorial, relações internacionais, Benjamin Netanyahu, Israel, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik