01:09 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Navios da Frota do Mar Negro durante ensaio para a festa dos 70 anos da vitória sobre a Alemanha nazista.

    EUA protestam contra expansão das forças russas na Crimeia

    © Sputnik / Vasily Batanov
    Mundo
    URL curta
    19332
    Nos siga no

    Washignton considera inaceitável o reforços das tropas russas na Crimeia, declarou nesta quarta-feira (27) o porta-voz oficial do Departamento de Estado dos EUA John Kirby. Segundo ele, o fortalecimento das tropas na península compromete os esforços de regulação da crise ucraniana.

    A declaração foi feita por Kirby após o chefe do Ministério da Defesa da Rússia Sergei Shoigu ter anunciado um reforço significativo do Distrito Militar Sul do país.

    Nas palavras do ministro russo, nos últimos três anos a Rússia criou no Distrito Militar Sul um total de 13 divisões e brigadas. A região recebeu armamentos, como os sistemas de mísseis balísticos móveis Iskander-M e sistemas de mísseis costeiros "Bastion" e "Bal". Além disso, a Frota do Mar Negro e a Frota do Mar Cáspio receberam, segundo ele, pequenos navios equipados com mísseis "Caliber".

    Em resposta às declarações de Shoigu, John Kirby exortou a Rússia a cumprir os Acordos de Minsk, relativos à regulação da crise ucraniana, destacando que a Crimeia é parte da Ucrânia.

    A Crimeia voltou a fazer parte da Rússia em março de 2014, após um referendo popular que revelou um apoio quase unânime à saída da Ucrânia e reintegração à Rússia. Por conta dessa decisão, os Estados Unidos adotaram uma série de sanções econômicas contra Moscou. Até hoje, Washington não reconhece a península como parte do território russo.

    Hoje mais cedo, o candidato republicano à presidência dos EUA Donald Trump deu mais uma declaração polêmica, dizendo que, caso caso ele seja eleito, não descarta a possibilidade de reconhecer a península da Crimeia como parte integrante da Federação Russa. 

    Tags:
    forças, protesto, John Kirby, Sergei Shoigu, Crimeia, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar