18:38 14 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Ilhas em disputa no mar do Sul da China

    ASEAN apela à contenção nas disputas no mar do Sul da China

    © AFP 2019 / Alex Ogle
    Mundo
    URL curta
    0 31
    Nos siga no

    A Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) emitiu na segunda-feira (25) uma declaração conjunta atrasada que exorta os países a manterem sua autocontenção sem qualquer referência direta à disputa territorial com a China.

    O comunicado dos 10 ministros das Relações Exteriores era esperado ser publicado no domingo (24), mas a mídia local informou que os países tinham tido divergências em relação às reivindicações de Pequim no mar do Sul da China. 

    No final, os ministros acordaram em fazer uma declaração conjunta que reafirmou o seu compromisso em "resolver suas disputas territoriais e jurisdicionais <…> através de consultas amigáveis". 

    Eles declararam que vão exercer "autocontenção na realização de atividades que possam agravar ou escalar disputas", incluindo abstenção de povoamento de ilhéus e ilhas atualmente inabitadas no mar do Sul da China. 

    "As partes exortam os outros países a respeitarem os princípios da DOC [Declaração da ASEAN sobre o Mar do Sul da China]", diz o comunicado.

    O consenso para condenar a China, que tem laços fortes com vários países da região, foi requerido por Filipinas, Brunei, Camboja, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar, Cingapura, Tailândia e Vietnã. 

    O comunicado surge duas semanas após o tribunal rejeitar as reclamações territoriais da China sobre 90% dos territórios do mar do Sul da China, uma via marítima comercial vital pela qual passa mais de metade do comércio marítimo internacional.

    Mais:

    Pequim lança patrulha de combate aéreo sobre Mar do Sul da China
    Tensões ao rubro: Pequim começa exercícios militares no mar do Sul da China
    Tags:
    comunicado, ministros, compromisso, disputa, declaração, Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), Mar do Sul da China, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar