11:02 25 Junho 2018
Ouvir Rádio
    François Hollande, presidente da França

    Hollande ordena mobilização de militares e policiais na França

    © AP Photo / Etienne Laurent, Pool
    Mundo
    URL curta
    0 03

    O presidente da França François Hollande anunciou que no país está começando a mobilização da reserva operacional composta por dez mil militares e policiais.

    "Dei ordem de mobilizar a reserva de segundo nível que inclui ex-militares e ex-policiais", declarou o presidente durante um discurso no Centro Nacional de Treinamento das Forças da Gendarmaria Francesa.

    O regime de estado de emergência tem vigorado na França desde novembro passado e foi anunciado após uma série de atentados em Paris e seus arredores. O prazo das restrições devia terminar em 26 de julho e não estava previsto o prolongamento deste prazo: ainda em 14 de julho o próprio Hollande falou sobre isso.

    O líder francês reviu sua decisão, após o atentado em Nice, na noite do mesmo dia em que morreram 84 pessoas. Na noite de terça-feira, os deputados da Assembleia Nacional da França (câmara baixa do parlamento) votaram a favor do projeto de lei sobre o prolongamento do regime de estado de emergência por mais seis meses.

    O regime de estado de emergência prevê uma série de restrições. Em particular, os agentes de segurança têm direito de colocar em prisão domiciliar qualquer cidadão cujas ações podem representar perigo. Em primeiro lugar, se trata daqueles que já chamaram a atenção dos serviços especiais.

    De acordo com os dados do Serviço Europeu de Polícia (Europol) revelados na quarta-feira, houve um total de 211 ataques terroristas que fracassaram, foram mal sucedidos e ocorreram, deixando 151 mortos e mais de 360 feridos na União Europeia em 2016.

    Mais:

    França: deputados querem estender estado de emergência por mais 6 meses
    Tags:
    prolongamento, restrições, estado de emergência, mobilização, Assembleia Nacional da França, François Hollande, Nice, Paris, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik