20:22 18 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Soldados israelenses perto da fronteira com a Síria no terrítorio de colinas de Golã ocupado por Israel, 22 de junho de 2015

    Cidade síria próxima a Golã é bombardeada; relatos apontam ataque de Israel ou da al-Nusra

    © AFP 2018 / MENAHEM KAHANA
    Mundo
    URL curta
    18210

    O Observatório Sírio de Direitos Humanos denunciou ataques aéreos israelenses nesta quarta-feira (20) em uma cidade síria perto das Colinas de Golã, que estão ocupadas por Israel. O movimento libanês Hezbollah, por outro lado, atribuiu as explosões a foguetes lançados por militantes da Frente al-Nusra ligados à Al-Qaeda.

    Segundo relata a Reuters, pelo menos uma explosão ocorreu perto do edifício do governo provincial na cidade síria de Baath, capital da província de Quneitra, que faz fronteira com a região de Golã.

    A cidade é controlada por forças leais a Damasco, incluindo o exército sírio e combatentes do Hezbollah. O grupo terrorista Frente al-Nusra, bem como rebeldes apoiados pelo Ocidente e outros grupos que juraram lealdade ao Daesh (Estado Islâmico) também operam na região.

    Ainda segundo a Reuters, dois rebeldes sírios disseram que um caça israelense tinha sido visto circulando pela área e que a aeronave teria realizado um ataque contra uma posição militar.

    "Nossa informação é de que o ataque teve como alvo um posto do Hezbollah", disse Maher al Ali, um porta-voz da Frente dos Revolucionários Sírios, um grupo rebelde apoiado pelo Ocidente.

    O Observatório Sírio de Direitos Humanos, por sua vez, disse que um caça israelense disparou um projétil na área do edifício do governo provincial em Baath. A ONG, porém, não tinha informações sobre vítimas.

    Já o Hezbollah disse que a Frente al-Nusra disparou dois foguetes carregados com explosivos de alta potência em direção à cidade, causando a morte de civis.

    "O inimigo israelense estava monitorando o ponto de lançamento dos foguetes próximo às posições da al-Nusra. Não há nenhuma verdade (sobre os relatos) de quaisquer incursões feitas pelo inimigo israelense", disse o grupo libanês.

    Embora formalmente adote uma posição neutra sobre a guerra civil síria, Israel já alvejou oficiais do Hezbollah e comboios de armas dentro da Síria por diversas vezes desde o início do conflito.

    Em janeiro do ano passado, a Força Aérea israelense levou a cabo um ataque de helicóptero na província de Quneitra, matando um alto general da Guarda Revolucionária Iraniana e vários membros do Hezbollah, incluindo um filho do falecido comandante militar do grupo, Jihad Mughniyeh.

    O planalto estratégico das Colinas de Golã foi ocupado por Israel na Guerra dos Seis Dias, em 1967, e embora a Síria tenha conseguido recuperar o território brevemente durante a Guerra do Yom Kippur, em 1973, desde então a região tem estado sob controle israelense, sem, contudo, a legitimidade do reconhecimento internacional.

    Mais:

    Benjamin Netanyahu: 'Israel nunca sairá das Colinas de Golã'
    Netanyahu ameaça Hezbollah com 'punho de ferro'
    Tropas irregulares iraquianas pedem ajuda do Hezbollah
    Hezbollah anuncia eliminação de 600 terroristas em Aleppo desde início de junho
    Tags:
    caça, avião, exército, bombardeio, ataque aéreo, conflito sírio, guerra civil, rebeldes sírios, Guerra do Yom Kippur, Guerra dos Seis Dias, Frente al-Nusra, Hezbollah, Observatório Sírio de Direitos Humanos, Quneitra, Baath, Síria, Israel, Colinas de Golã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik