03:42 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Boris Johnson discursa no BBC, março de 2016

    Boris Johnson não vai se desculpar por frases polêmicas sobre líderes mundiais

    © REUTERS/ Jeff Overs/BBC
    Mundo
    URL curta
    0 91041

    O ministro das Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Boris Johnson disse que não pretende se desculpar por frases polêmicas sobre líderes e políticos de todo o mundo, e afirmou que a imprensa sempre noticiou seus discursos fora do contexto.

    "Podemos gastar muito tempo avaliando o que eu escrevi nos últimos 30 anos… tudo isso, ao meu ver, foi retirado do contexto", afirmou o ministro, ao responder aos jornalistas a pergunta se pretende se desculpar por comentários indelicados, feitos sobre líderes mundiais e políticos.

    Nesta terça-feira, em Londres, Boris Johnson realizou sua primeira coletiva de imprensa no cargo de ministro das Relações Exteriores, após a reunião com o secretário de Estado, John Kerry. O excêntrico Johnson, que assumiu a pasta na semana passada, é a figura mais inusitada no governo da nova primeira-ministra britânica.

    Em abril deste ano, Johnson criticou o presidente dos EUA, Barack Obama, que pediu para a Grã-Bretanha permanecer na UE. O ex-prefeito de Londres disse que o líder americano era "parcialmente queniano" e teria "herdado o desgosto pelo Império Britânico".

    Em 2007, ele chamou a candidata à presidência dos EUA, Hillary Clinton de "enfermeira sádica". "Ela tem cabelos claros tingidos, lábios inchados e olhar de aço, como de uma enfermeira sádica em um hospício", citou as palavras de Johnson a britânica Independent, provavelmente fora de contexto.

    No ano passado, Johnson afirmou: "o único motivo, pelo qual eu não vou a Nova York, é o risco de topar com Donald Trump".

    O atual ministro também não deixou sem atenção o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan. Um poema de Johnson foi o vencedor no concurso de obra mais ofensiva sobre Erdogan e contava sobre o "amor que floresceu entre o presidente turco e um bode".

    Ainda bem que o presidente turco tem mais com o que se preocupar no momento. 

    Já o presidente da Síria, Bashar Assad, foi chamado por Johnson de "monstro e ditador", informou a BBC.

    Mais:

    Boris Johnson: 'relações com a Europa serão intensificadas, apesar do Brexit'
    Boris Johnson pede votos contra ‘superestado’ da União Europeia
    Zakharova: não sentiremos saudades do antigo ministro das Relações Exteriores britânico
    Tags:
    Bashar Assad, Recep Tayyip Erdogan, Donald Trump, Hillary Clinton, Barack Obama, Boris Johnson, Grã-Bretanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik