23:04 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    BOPE (Batalhão de Operações Policiais Especiais), a unidade de polícia brasileira

    Brasil deporta físico argelino acusado de terrorismo

    © AFP 2018 / ANTONIO SCORZA
    Mundo
    URL curta
    283

    Um dia após mais um atentado terrorista na França, o físico Adlène Hicheur, de 39 anos, nascido na Argélia e naturalizado francês, foi deportado nesta sexta (15) do Brasil, onde morava havia três anos, informou a agência brasileira Estadão.

    O físico já tinha estado preso na França, após ser condenado a 5 anos de prisão sob a acusação de planejar atentados terroristas. Após 2 anos na prisão, obteve liberdade provisória e se mudou para o Rio, onde se tornou professor visitante do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

    ​Seu contrato com a UFRJ terminaria em julho, mas a universidade decidiu renová-lo por mais um ano. Por isso, encaminhou aos órgãos federais a documentação necessária para a renovação do visto. Mas hoje foi publicada no Diário Oficial da União uma decisão do Ministério da Justiça negando o pedido de renovação, sem exposição de justificativas.

    ​Hicheur estava em sua casa, na Tijuca (zona norte do Rio), quando agentes da Polícia Federal chegaram e avisaram que ele seria imediatamente deportado. Os policiais aguardaram o fim da apresentação e a organização da bagagem do físico, que no início da tarde foi levado ao aeroporto do Galeão.

    Segundo a UFRJ, a vice-reitora da instituição, Denise Nascimento, esteve no aeroporto para tentar impedir a deportação, sem sucesso. O voo levando Hicheur partiria às 22h25 para Lisboa e dali ele seria encaminhado para a França. 

    Em nota à imprensa, o Ministério da Justiça disse que, "acolhendo recomendação da Polícia Federal e tendo em vista o indeferimento do pedido de prorrogação de autorização de trabalho no país, e dada a conveniência ao interesse nacional, autorizou a deportação sumária" de Hicheur.

    Em janeiro, a revista Época divulgou que a Polícia Federal monitorava Hicheur em razão de suas supostas atividades terroristas – algo que o físico sempre negou. Na época, ele chegou a pedir desligamento da UFRJ e cogitou voltar para a Europa, mas foi convencido por colegas a permanecer no Brasil como pesquisador (ele deixou de dar aulas).

    Mais:

    Alerta Rio 2016: Brasil tem que prestar atenção no terrorismo internacional
    Especialista: incoerências podem prejudicar lei que tipifica crime de terrorismo no Brasil
    Especialista: apoio do Brasil ao Conselho de Segurança da ONU contra terrorismo é positivo
    Tags:
    condenado, acusação, terrorismo, professor, deportação, Polícia Federal, UFRJ, França, Lisboa, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik