05:34 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    141
    Nos siga no

    Enquanto o relatório Chilcot, que revelou as falhas da decisão britânica de apoiar a invasão americana no Iraque, deixou a Grã-Bretanha pasmada, o ex-primeiro-ministro norueguês e atual secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, pode enfrentar as mesmas críticas pelo bombardeio da Líbia que Tony Blair enfrentou após a sua empreitada iraquiana.

    Recentemente foram traçadas analogias entre a invasão do Iraque liderada pelos EUA e a intervenção da OTAN na Líbia. O que surpreende mais é quem avançou estas ideias: nada menos que Thorbjorn Jagland, secretário-geral do Conselho da Europa. A preocupação dele com as críticas por parte do comitê investigador chefiado por Jonh Chilcot e dirigido contra o ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, não pode ser escondida.

    "Se a guerra no Iraque foi ilegal, o que Kofi Annan afirma, o que podemos dizer sobre os bombardeios da Líbia, que foi muito além dos limites do mandato do Conselho de Segurança da ONU?", indagou Jagland no Facebook.

    Os EUA e a Grã-Bretanha travaram a guerra contra o Iraque com um único objetivo – derrubar o presidente Saddam Hussein, uma ação levada a cabo sem a aprovação do Conselho da Segurança da ONU. A França votou contra, enquanto o presidente russo Vladimir Putin chamou a invasão americana de "grande erro político".
    Apesar da alegada existência de armas de destruição em massa no Iraque, nada parecido foi encontrado.

    Em 2011, a OTAN invadiu a Líbia usando como pretexto o genocídio que Muammar Kadhafi, alegadamente, praticava contra os civis. Vale lembrar que o então primeiro-ministro Jens Stoltenberg esteve na vanguarda contra a Líbia e durante os primeiros meses de 2011 foi responsável por lançar 567 bombas no país, o que equivale a 17% do total de bombas lançadas pela OTAN. Depois disso, o governo norueguês recebeu elogios de Obama pela sua contribuição.

    Mas o sucesso de Stoltenberg dificilmente entrará na história porque, após a derrubada de Kadhafi, as hostilidades saíram de seus limites razoáveis. A Líbia entrou um colapso e os chamados "libertadores" retornaram a casa.

    Historicamente, desde o começo dos anos 2000, Thorbjorn Jagland e Jens Stoltenberg, ambos ex-primeiros-ministros, têm sido grandes adversários. Hoje continuam sua rivalidade – desta vez – na qualidade dos secretários-gerais do Conselho da Europa e da OTAN.

    Jagland estava descontente com agressão contra a Líbia e criticou a imprensa norueguesa e a recente cúpula da OTAN.

    "Não foi feita nenhuma tentativa de resolver as coisas a longo prazo durante a cúpula da OTAN. Somente a propaganda na mídia norueguesa, quase tão feia como a propaganda da Rússia contra o Ocidente. Já está na hora de ligar seu cérebro, como Mikhail Gorbachev fez", escreveu Jagland.

    Isso pode significar que o combate entre os dois rivais noruegueses continuará.

    Mais:

    Pesquisa: Reino Unido entrou na guerra no Iraque antes disso ser o último recurso
    Tony Blair pode ser julgado pela guerra do Iraque
    Reino Unido publicará inquérito sobre Guerra do Iraque em julho
    Tags:
    secretário-geral, invasão, guerra, Conselho da Europa, Conselho de Segurança da ONU, OTAN, Muammar Khaddafi, Kofi Annan, Saddam Hussein, Thorbjorn Jagland, Jens Stoltenberg, Líbia, Noruega, Iraque, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar