03:03 02 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Crueldades do Daesh (33)
    0 161
    Nos siga no

    A oeste da cidade iraquiana de Mossul, controlada pelos terroristas, faz tempo que operam grupos armados voluntários que protegem suas aldeias dos ataques do Daesh.

    Assim, em uma das aldeias, chamada de Wadi Shlo, foi formado um grupo de milícias extraordinário: todos os membros do grupo são meninas de origem yazidi. Apesar da natureza frágil das mulheres, vestidas em uniformes militares e com armas nas mãos, as meninas lutam bravamente contra os terroristas. Cada grupo tem suas próprias tarefas: alguns deles são soldados de vanguardas, e outros – de unidades de retaguarda.

    A agência Sputnik pediu uma das mulheres-soldados do grupo armado feminino yazidi que nos contasse sobre a sua participação em operações militares.

    Grupos armados de mulheres yazidis lutam contra terroristas de Daesh
    © Sputnik /
    Grupos armados de mulheres yazidis lutam contra terroristas de Daesh

    A combatente Wadhat Khalil Salekh, de cabelo ruivo, que participa na libertação de Sinjar desde os primeiros dias de início da operação, contou que os grupos femininos, ao longo dos últimos meses, realizaram uma série de operações ofensivas para libertar as aldeias de militantes do Daesh. Suas unidades contam com várias centenas de mulheres que, junto com os homens, decidiram lutar contra os terroristas.

    "Eu decidi me tornar membro do grupo feminino de Yekîneyên jinen Şengalê quando os militantes do Daesh iniciaram um genocídio contra o nosso povo em 2014. Agora eu estou participando da operação de Sinjar para libertar completamente o território dos terroristas", afirmou Wadhat, que tem apenas 22 anos.

    Grupos armados de mulheres yazidis lutam contra terroristas de Daesh
    © Sputnik /
    Grupos armados de mulheres yazidis lutam contra terroristas de Daesh

    Wadhat, que está combatendo junto com suas duas irmãs, disse ter eliminado várias dezenas de terroristas nos combates. Sua tarefa não é somente combater durante a ofensiva, mas também a resistência aos contra-ataques, durante as operações de libertações de aldeias controladas pelos militantes.

    "No início fomos treinadas pelas mulheres das Forças de Defesa do Povo (HPG, na sigla em inglês) em Sinjar, na fronteira com a Síria e em outras regiões do Curdistão iraquiano. Agora realizamos principalmente operações de libertação das reféns yazidis capturadas pelos terroristas do Daesh. Entre elas estão parentes minhas", acrescentou Wadhat.

    Grupos armados de mulheres yazidis lutam contra terroristas de Daesh
    © Sputnik /
    Grupos armados de mulheres yazidis lutam contra terroristas de Daesh

    Esta menina, que foi forçada a mudar os seu aspecto frágil para empunhar armas, perdeu a oportunidade de receber uma educação completa devido ao genocídio do seu povo em 2014. Hoje, Wadhat tem somente um desejo: que todas as mulheres voltem do cativeiro do Iraque e para que se estabeleça a paz.

    "Faço um apelo a todos os militantes e líderes do Daesh: vocês serão totalmente derrotados! Vamos expulsá-los de todo o Iraque!", concluiu Wadhat.

    Tema:
    Crueldades do Daesh (33)

    Mais:

    Adeptos do Daesh queriam fazer explodir embaixada dos EUA e 'instituições judaicas'
    Daesh perde um quarto de seu território na Síria e no Iraque desde 2015
    Daesh ergue muro de fogo perto de Mossul
    Tags:
    grupos armados, milícia, militantes, mulheres, combates, armas, luta, terrorismo, Daesh, Sinjar, Curdistão iraquiano, Mossul, Iraque, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar