21:15 22 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Tanque T-72 a 10 km de Palmyra

    Armas russas combaterão em mais um país do Oriente Médio

    © Sputnik/ Mikhail Voskresenskiy
    Mundo
    URL curta
    0 1451192

    Beirut pediu que Moscou forneça mísseis guiados antitanque Kornet, tanques de combate T-72 e canhões e espera receber armas dentro de um ano, disse o embaixador libanês na Rússia Chawki Bou Nassar disse à Sputnik.

    "O Líbano precisa de armas para lutar contra estas pessoas [terroristas], especialmente foguetes russos. Há um [tipo de foguetes] bem-conhecido – o Kornet – porque o Líbano tem algumas armas e usava-as de modo eficiente e ainda está trabalhando com a parte russa com vista ao fornecimento de tais armas…Kornet, canhões e tanques, tanques T-72, que não são novos mas a Rússia prometeu renová-los e modernizar os sistemas e, com certeza, projéteis para canhões e munições", disse Nassar.

    Soldados do exército sírio carregam um missil a ser disparado contra as posições do Daesh em Raqqa
    © AP Photo/ Alexander Kots/Komsomolskaya Pravda
    O embaixador destacou que o Líbano precisa de armas para combater aos grupos terroristas como o Daesh e a Frente al-Nusra na fronteira síria. As duas organizações terroristas, proibidas em muitos países, inclusive na Rússia, conquistaram diversas partes da Síria.

    Segundo Nassar, as negociações sobre os fornecimentos de mísseis e tanques produzidos na Rússia se encontram em estado avançado, mas o valor do contrato ainda deve ser negociado. A Rússia acordou ter em conta o pedido de Líbano de diminuir o preço enquanto Beirut procura meios de pagar pelo equipamento militar.

    O Líbano espera também que a Rússia forneça nove helicópteros ao país no âmbito de uma subvenção.

    Na sexta-feira (8), o presidente russo Vladimir Putin informou que em 2016 a Rússia exportou armas no valor de $4,6 bilhões.

    Tags:
    munição, equipamento militar, fornecimento, tanques, contrato, Daesh, Líbano, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik