06:08 28 Março 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 116
    Nos siga no

    O líder da autoproclamada República Popular de Lugansk denunciou, em comunicado oficial, que o Parlamento Ucraniano aprovou uma lei de anistia que ignora os milicianos e civis de Donbass.

    “Em 7 de julho, a Rada Suprema aprovou a lei de anistia para 2016, que inclui apenas os participantes da operação especial, que cometeram delitos e crimes militares no território de Donbass, mas a anistia é omissa quanto às milícias e os civis das repúblicas de Donetsk e Lugansk, ainda que eles representem a outra parte do conflito e dos Acordos de Minsk”, declarou Igor Plotnitski.

    Segundo o político, Kiev deve explicar essa lei, que não considera os habitantes de Donetsk e Lugansk como cidadãos ucranianos. 

    “Por acaso nós, que fomos vítimas de uma agressão infundada, a priori somos culpados e não precisamos de uma anistia?”, questiona Plotnitski.

    Em abril de 2014, Kiev iniciou uma operação militar nas províncias ucranianas de Donetsk e Lugansk para apagar os focos de indignação com a mudança violenta de poder ocorrida em fevereiro do mesmo ano. A ONU registra quase 9.400 mortos e 21.500 feridos em decorrência do conflito.

    Em fevereiro de 2015, um acordo de paz foi assinado em Minsk, capital da Bielorrússia, após conversas no formato do Quarteto da Normandia (Rússia, Ucrânia, França e Alemanha). O acordo estipula um cessar-fogo total, a retirada de armas da linha de contato no leste da Ucrânia, uma troca de prisioneiros no formato todos-por-todos e reformas constitucionais, que dariam um status especial às autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk.

    Mais:

    Stoltenberg: entrada da Ucrânia na OTAN deve ser decidida apenas pelos dois lados
    Ministro do Exterior polonês: OTAN começa a ver necessidade de integrar a Ucrânia
    Poroshenko: Ucrânia ensinará OTAN como combater a Rússia
    Tags:
    anistia, lei, Suprema Rada, Igor Plotnitsky, Ucrânia, Donetsk, Lugansk, Donbass
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar