03:19 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    F-15E Strike Eagle da Força Aérea americana

    Abandono de milicianos sírios durante combate prejudica a imagem dos EUA

    US Air Force / Senior Airman Matthew Bruch
    Mundo
    URL curta
    22094119

    A Força Aérea dos EUA abandonou seus aliados da oposição síria no meio de uma ofensiva crucial contra o Daesh. Como consequência, o grupo acabou derrotado, relatou o jornal Washington Post.

    Aviões F-18E Super Hornets da Força Aérea dos EUA voando sobre o norte do Iraque, 23 de setembro 2014
    © AFP 2017/ Comando Central da Força Aérea dos EUA
    No meio da operação das Forças do Novo Exército Sírio (NSA) para libertar do Daesh a localidade síria de Al Bukamal, no leste do país, os aviões americanos receberam a ordem de abandonar a área.

    Sem apoio aéreo, as tropas do NSA fracassaram na tentativa de superar a resistência jihadista e se viram obrigadas a abortar a operação. Os opositores sofreram várias baixas e também deixaram para trás equipamentos bélicos como metralhadoras de calibre pesado, de fabricação americana, que caiu nas mãos do Daesh.

    A coalizão internacional liderada pelos EUA justificaram a decisão de abortar o apoio aéreo pela necessidade de atacar “um alvo estratégico” no Iraque. Tratava-se de uma caravana do Daesh que tentava fugir da cidade iraquiana de Fallujah, recém-libertada pelo Exército do Iraque.

    Ainda que o ataque aéreo contra a caravana tenha sido considerado um sucesso pelos militares americanos, a derrota do NSA e o fracasso ao tentar libertar Al Bukamal prejudicou a imagem dos EUA como aliado.

    “É difícil estabelecer e manter as relações com os grupos armados de oposição se prometemos uma coisa e fazemos o contrário”, disse Daviz Maxwell, ex-agente de unidades especiais, entrevistado pelo Washington Post.

    Mais:

    Putin e Obama se dispõem a aumentar coordenação militar na Síria
    Drone dos EUA sofre acidente na Síria
    Ataque suicida mata mais de 30 no nordeste da Síria
    Tags:
    abandono, oposição síria, coalizão, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik