20:13 20 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Confrontos entre policiais e manifestantes em 13 de maio, durante protesto, em Bujumbura, contra a candidatura de Nkurunziza a um terceiro mandato

    Human Rights Watch: Inteligência do Burundi tortura opositores

    © AP Photo/ Gildas Ngingo
    Mundo
    URL curta
    0 8302

    Os serviços de inteligência do Burundi teriam torturado, dentro de suas próprias instalações e também em prisões secretas, vários suspeitos de fazerem oposição ao governo dentro, segundo informações da Human Rights Watch.

    Em relatório publicado nesta quinta-feira, a organização de defesa dos direitos humanos acusa as autoridades de cometer inúmeros abusos com a ajuda de um grupo paramilitar juvenil conhecido como Imbonerakure. 

    O Burundi está mergulhado em caos desde abril do ano passado, quando o presidente Pierre Nkurunziza anunciou seus planos de tentar um terceiro mandato, provocando intensos protestos, reprimidos com extrema violência pelas forças de segurança. De acordo com o relatório, agentes da inteligência nacional teriam agredido os opositores detidos com martelo, cravado hastes de aço em suas pernas e jogado plástico derretido em seus corpos.

    A Human Rights Watch pediu que o Conselho de Segurança da ONU providencie uma força policial internacional e monte um comitê de investigação no país. 

    Mais:

    Ataque a bomba deixa mortos e feridos em Bujumbura, no Burundi
    Presidente do Burundi garante que eleições ocorrerão de forma pacífica
    Instabilidade no país faz EUA fecharem embaixada no Burundi
    Ban Ki-moon pede calma após tentativa de golpe no Burundi
    Nações Unidas temem mais um genocídio
    Tags:
    inteligência, tortura, Human Rights Watch, Conselho de Segurança da ONU, Pierre Nkurunziza, Burundi
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik