22:03 15 Julho 2019
Ouvir Rádio
    David Cameron, primeiro-ministro britânico

    David Cameron: 'Erros no Iraque não significam que invasão foi uma falha'

    © AP Photo /
    Mundo
    URL curta
    11013

    O Reino Unido deve aprender as lições dos acontecimentos no Iraque, disse o primeiro-ministro britânico David Cameron.

    Quarta-feira (6), uma comissão especial revelou os resultados da investigação sobre a invasão dos EUA e da Grã-Bretanha ao Iraque. Foi concluído que o governo britânico, liderado por Tony Blair, cometeu um erro e decidiu que a política do Reino Unido sobre a invasão do Iraque em 2003 foi baseada em dados de inteligência falhos.

    "A coisa mais importante que podemos fazer é realmente aprender uma lição que tem sido bastante clara", disse Cameron.

    No entanto, o primeiro-ministro frisou que nem sempre uma invasão é um erro.

    “O início da participação numa guerra deve ser uma medida excecional, e isso deve ser feito só quando todas as alternativas que merecem confiança são esgotadas”, frisou Cameron, dando como exemplo as invasões a Kosovo e Serra Leoa.

    David Cameron também afirmou que o envolvimento militar da Grã-Bretanha no Afeganistão não tinha repetido as falhas de planejamento da invasão do Iraque em 2003.

    "Eu não aceito que todas as mesmas falhas sejam aparentes de alguma forma quando se trata do planejamento no Afeganistão", disse ele no Parlamento.

    Os EUA e seus aliados invadiram o Iraque em março de 2003 e oficialmente retiraram suas tropas em 2011. Cerca de 200 mil soldados e civis morreram por causa da guerra, que levou à derrubada do governo de Saddam Hussein. De acordo com o Ministério da Defesa britânico, 179 militares morreram durante a guerra.

    Mais:

    'Eu culpo Tony Blair pela morte do meu filho'
    Cameron diz que objetivo principal do Reino Unido agora é unir o país
    Premiê britânico é excluído de café da manhã com líderes da UE em Bruxelas
    Tags:
    invasão, David Cameron, Grã-Bretanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar