15:35 24 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    375314
    Nos siga no

    O senador francês Antoine Karam disse em entrevista ao Correio do Brasil que o governo da França precisa tomar uma atitude e denunciar o golpe contra Dilma Rousseff e a democracia brasileira.

    Em conversa com a jornalista Marilza de Melo Foucher, Karam, que governou a Guiana Francesa (região de nascimento e a qual representa no Senado) por 18 anos, se disse solidário à presidenta afastada. Para ele, não há dúvidas de que a saída de Dilma foi uma manobra injusta e antidemocrática.

    "Este silêncio do governo francês, assim como do conjunto da classe política francesa e não somente da esquerda, é inaceitável. Não podemos esquecer que a França, que se diz o berço dos direitos humanos e símbolo da democracia, não tem direito à indiferença. A França, que tem uma história de luta pelos direitos e que acolheu um grande número de brasileiros exilados, grandes intelectuais como Josué de Castro, Celso Furtado, Milton Santos e até Fernando Henrique, não poderia guardar silêncio diante do que hoje ocorre no Brasil", afirmou o parlamentar socialista durante participação em um colóquio sobre o golpe institucional no Brasil em Paris, organizado pela senadora Laurence Cohen, do Partido Comunista.

    "Os políticos e o governo francês teriam por obrigação de explicar à opinião pública francesa a gravidade dessa crise institucional e denunciar com toda firmeza o golpe contra a Presidenta Dilma Rousseff".

    De acordo com Karam, a instabilidade que atinge o Brasil afeta diretamente a sua região, uma vez que a Guiana faz fronteira com o território brasileiro e possui um histórico de cooperação bilateral. Lembrando os problemas ocasionados pela ditadura militar de 1964 a 1985, ele destacou que, apesar dos avanços dos últimos anos, a democracia brasileira ainda é jovem e frágil. 

    "Ainda existem muitos adeptos dos métodos da ditadura capazes de promover a usurpação do poder. Estes consideram que a democracia não pode acomodar seus negócios, seus interesses particulares. Então eles achincalham os valores democráticos". 

    Para o senador, o Brasil é uma potência mundial, e, por esse motivo, ninguém, nem mesmo a França, tem o direito de ficar indiferente ao que se passa no país. Ele acredita que um retorno aos métodos pré-democráticos seria algo inconcebível, com consequências nefastas para o resto do mundo.

    Em mensagem aos brasileiros, no fim da entrevista, Antoine Karam ofereceu o seu apoio ao povo na luta pelos valores democráticos, enfatizando a importância da resistência:

    "Que o povo brasileiro não renuncie a esta luta pela normalidade institucional e pela volta da Presidenta Dilma Rousseff. Os brasileiros devem rejeitar todos esses politiqueiros que ultrajam os valores democráticos. Esses mesmos que pregaram a luta contra a corrupção somente para elaborar o golpe, tendo em vista que são eles os maiores corruptos que hoje querem eternizar seus privilégios. Vocês souberam resistir a 24 anos de ditadura. Agora, devem resistir ao que aqui denunciamos neste colóquio: o golpe institucional. Estamos com vocês nesta luta!", finalizou o político.

    Mais:

    França quer eliminar sanções contra a Rússia 'o mais rápido possível', diz chanceler
    Diplomata e embaixador brasileiro não comentam comunicados falando de golpe no Brasil
    Tags:
    Partido Socialista, Partido Comunista, Laurence Cohen, Fernando Henrique Cardoso, Milton Santos, Celso Furtado, Josué de Castro, Dilma Rousseff, Marilza de Melo Foucher, Antoine Karam, Guiana Francesa, Brasil, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar