17:09 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Soldados do Exército sírio realizam ações militares contra terroristas nos arredores da cidade de Mhin, Síria, 20 de fevereiro de 2016

    Exército sírio bloqueia principal rota de abastecimento de terroristas

    © Sputnik/ Ilya Pitalev
    Mundo
    URL curta
    Devastando as sedes do Daesh (65)
    11454211

    As forças governamentais da Síria expulsaram os grupos terroristas do subúrbio setentrional de Aleppo e cortaram o caminho de abastecimento destes grupos, tendo bloqueado a estrada de Castello, informou a fonte militar a Sputnik.

    "O exército recuperou as granjas de a Al Mallah e cortou a rota de abastecimento de terroristas através da estrada de Castello, no norte da cidade, bloqueando deste modo os terroristas em Aleppo (nos bairros setentrionais)", disse o oficial sírio.

    Na quarta-feira (29) unidades do grupo terrorista Yeish al Islam lançaram uma ofensiva na zona das granjas de Al Mallah.

    Na quinta-feira (30) a televisão libanesa Al Mayadeen informou que os rebeldes do Yeish Al Fatah tinham atacado as posições das tropas governamentais na zona de Al Mallah, mas as tropas terrestres, apoiados pela Força Aérea, repeliram a ofensiva e eliminaram mas de 100 militantes.

    A Síria vive uma guerra civil desde 2011, com forças governamentais leais ao presidente Bashar Assad combatendo vários grupos de oposição e extremistas como o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia) e a Frente al-Nusra.

    O regime de cessar-fogo, negociado por Rússia e EUA, entrou em vigor no dia 27 de fevereiro em toda a Síria, mas organizações terroristas como a Frente al-Nusra e o Daesh não aderiram.

    Tema:
    Devastando as sedes do Daesh (65)

    Mais:

    Militares russos registram duas violações ao cessar-fogo na Síria
    Exército da Síria repele ataque dos terroristas em Aleppo há dois dias
    Avião de guerra cai na província síria de Damasco
    Tags:
    ofensiva terrestre, ataque, exército sírio, Daesh, Aleppo, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik