21:21 03 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 110
    Nos siga no

    Em um dos seus primeiros discursos públicos, o novo líder do movimento extremista Talibã negou a vontade de "monopólio do poder" e chegou a admitir uma possível cooperação com o governo do Afeganistão.

    O objetivo é pôr fim à "ocupação" do Afeganistão pelas forças internacionais. Isso seria, segundo Mullah Haibatullah Akhundzada, o primeiro passo para uma pacificação baseada na lei do Islã.

    Akhundzada, nomeado líder do Talibã depois da morte do seu antecessor, Mullah Akhtar Mohammad Mansour, atingido por um drone dos EUA em maio do ano em curso, afirma procurar a unidade nacional.

    "Seu apoio e alinhamento com os invasores se parece com os trabalhos daqueles rostos horrendos que na nossa história passada prestavam apoio aos britânicos e aos soviéticos", disse o líder dos extremistas, prosseguindo:

    "A nossa mensagem clara é que nós não queremos um monopólio do poder. Todas as tribos e raças afegãs precisam umas das outras."

    Além disso, ele frisou que "as portas do perdão e tolerância estão abertas".

    Esta declaração antecipa o Eid al-Fitr, uma das maiores festas islâmicas, e vem dois dias depois de um ataque suicida que matou pelo menos 30 cadetes recém-graduados. Outros ataques ocorridos no mês passado mataram várias dezenas de pessoas na capital afegã, Cabul, e na província setentrional de Badakhshan.

    Bombeiros da capital afegã limpam uma rua após um atentado suicida perpetrado por um membro do Talibã
    © AP Photo / Massoud Hossaini
    Bombeiros da capital afegã limpam uma rua após um atentado suicida perpetrado por um membro do Talibã

    O Talibã já chegou a governar no Afeganistão por um período de vários anos, no final do século passado, instaurando no país um sistema de governo baseado na lei islâmica, com penas que significavam morte violenta para autores de vários tipos de crime. Vale a pena dizer que, ainda hoje, há relatos sobre residentes locais que tinham ajudado militares estrangeiros (por exemplo, prestando serviço de intérprete) sendo mortos por seus vizinhos por terem cometido "traição".

    No final do ano de 2014, os EUA deram por terminada a Segunda Guerra no Afeganistão. Começava a missão Resolute Support (RS), comandada por John Campbell, que passou para a fase auxiliar em meados de 2015. De acordo com vários observadores, até o momento, a presença norte-americana no Afeganistão não obteve resultados.

    Mais:

    Ataques separados com bombas matam pelo menos 22 no Afeganistão
    Polícia afegã prende um dos líderes do Talibã na província de Baghlan
    Força Aérea dos EUA bombardeia Talibã apesar de sua 'missão não-combatente'
    Afeganistão comemora decisão americana de atacar Talibã
    Explosão em mesquita no Afeganistão causa mortes e feridos
    Obama aprova iniciativa de ampliação dos ataques aéreos no Afeganistão
    Apesar dos ataques, EUA defendem reconciliação entre Talibã e governo no Afeganistão
    Fotojornalista americano e intérprete são mortos no Afeganistão
    Tags:
    extremismo, islã, Talibã, Mullah Haibatullah Akhundzade, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar