18:57 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Fragmento do Muro de Berlim - símbolo da Guerra Fria, Postdamer Platz, Alemanha

    Europa não terá mais uma Guerra Fria, afirmam analistas

    © Sputnik/ Igor Zarembo
    Mundo
    URL curta
    5102351

    Sem a Rússia a Europa não conseguirá construir um sistema de segurança estável, afirmam especialistas que participaram da conferência sobre segurança em Viena.

    Na opinião do redator-chefe da revista Rússia na Política Global, Fyodor Lukyanov, agora ambas as partes devem intensificar os contatos bilaterais.

    "Tentamos nos impressionar mutuamente usando o potencial militar. Isso deve ser regulado de qualquer forma. Não acredito em uma confrontação militar de longo prazo porque isso não faz sentido. Nenhum problema na Europa ou nos EUA será resolvido assim, e esta é uma grande diferença do período da Guerra Fria", disse.

    Também acrescentou que, hoje, nem todos se lembram que três quartos da população mundial são indiferentes no que tange às relações entre a Rússia e a OTAN. Lukyanov afirmou que este período nervoso nas relações pode durar mais 2-3 anos, mas depois a situação será alterada. O especialista disse que pode piorar bem como melhorar.

    Ao mesmo tempo, o chefe da representação turca do Fundo alemão Marshall, Ozgur Unluhisarcikli, disse que é necessário esperar até o fim da cúpula da OTAN em Varsóvia. Nessa altura, na sua opinião, a liderança da aliança tomará a decisão de estabelecer um equilíbrio de poderes no mundo, inclusive na Europa e na fronteira com a Rússia.

    O especialista turco disse que, pelos vistos, a confrontação terá um caráter estável. Unluhisarcikli afirmou que a situação em outras regiões também depende da segurança na Europa.

    Segundo o analista político búlgaro, presidente do Centro de Estratégias Liberais em Sofia, Ivan Krastev, quando se fala da Guerra Fria, todos se lembram somente do seu último período, quando tudo estava bastante tranquilo. Entretanto, no seu início, os adversários tentaram minar repetidamente os interesses um do outro. Assim, muito do que agora é considerado como exclusivo naquela altura era uma coisa habitual.

    "A ameaça principal são os terroristas e não o arsenal nuclear da Rússia. Queria destacar que o comportamento russo gera preocupações porque a Rússia se expressa de forma franca sobre as armas nucleares, a URSS não se permitia fazê-lo", sublinhou Krastev.

    Ele acrescentou que as partes foram demasiado longe na sua desconfiança mútua e devem contatar mais.

    Segundo Constanze Stelzenmuller, especialista do Instituto Brookings, em resultado da etapa atual de confrontação não haverá quaisquer alterações territoriais, como aconteceu antes. Acrescentou também que "no final de contas, penso que, sem a Rússia, a segurança na Europa será impossível".

    Tags:
    situação, relações, segurança, opinião, fronteira, especialistas, Guerra Fria, OTAN, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik