19:25 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Banco Central da Rússia

    Referendo britânico terá pouca influência sobre mercados russos

    © Sputnik/ Natalia Selivestrova
    Mundo
    URL curta
    Brexit: reações e consequências (121)
    0 25640

    As consequências de longo prazo dependerão dos acordos concretos entre o país e a UE e da sua influência sobre a economia mundial e mercados financeiros, disse a presidente do Banco Central da Rússia, Elvira Nabiulina.

    No referendo do dia 23 de junho, a maioria (51,9%) dos cidadãos do Reino Unido votou a favor da saída do país da União Europeia. Segundo a estimativa da presidente do Banco Central russo, a influência direta sobre o sistema financeiro russo será bastante limitada.

    "Já vimos que os mercados russos sobreviveram bastante calmamente ao primeiro impacto que afetou o mercado mundial depois do resultado do referendo na Grã-Bretanha", disse Elvira Nabiulina, discursando no Congresso Internacional Financeiro em São Petersburgo.

    A placa sentido único em Manchester
    © Sputnik/ Aleksei Filippov
    O Brexit pode ser considerado no contexto da insatisfação popular, que está ligada não só à política mas também à economia, porque os tempos baixos de crescimento da economia mundial causam a perda da confiança e o surgimento do medo e insatisfação em vários países, acrescentou a presidente.

    Em 23 de junho, o Reino Unido realizou um referendo sobre a permanência do país na UE. Um total de 51,9%, ou mais de 17,4 milhões de britânicos, votou a favor do Brexit, enquanto que cerca de 16,1 milhões votaram contra. O resultado do referendo tem vindo a provocar grande polêmica a nível nacional e internacional.

    Tema:
    Brexit: reações e consequências (121)

    Mais:

    Brexit seria uma catástrofe simultânea para União Europeia e Rússia?
    Brexit terá consequências para a Europa e para a Rússia
    Tags:
    Brexit, mercado financeiro, mercado global, Banco Central da Rússia, Elvira Nabiullina, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik