22:34 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    O navio de patrulha russo Yaroslav Mudry

    Pentágono acusa navio-patrulha russo de aproximação a destróier dos EUA

    © Sputnik/ Igor Zarembo
    Mundo
    URL curta
    103365326

    O Pentágono declarou que o navio de patrulha russo "Yaroslav Mudryi" emitiu sinais falsos, tentando se aproximar do destróier americano “Gravely”, que dava cobertura ao porta-aviões "Harry Truman".

    Recentemente, um representante do Pentágono disse que o navio russo da classe 11540 passou a 288 metros do destroyer “Gravely”, e na distância de cinco milhas náuticas (mais de nove quilômetros) do porta-aviões "Harry Truman" no Mar Mediterrâneo.

    O site Defense News, citando uma fonte do Pentágono, informou que o navio russo "tentou criar deliberadamente obstáculos às manobras do “Gravely"”.

    "O navio de patrulha sinalizou “esfera-rombo-esfera", que significa "limitar manobras”, de acordo com o Regulamento Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar. Os marinheiros russos também exigiram pelo rádio que o destróier estadunidense mantivesse uma distância segura. No entanto, quando o “Gravely” mudou de rumo e velocidade, o navio russo também mudou seu rumo, o que sugere que ele não estava realmente limitado em manobras", escreve o jornal.

    O capitão do destróier sugeriu que o navio russo tentou deliberadamente impedir as operações do “Gravely”, acrescenta o Defesa News.

    Na terça-feira (28), o Ministério da Defesa russo acusou a tripulação do destróier “Gravely” de proximidade perigosa do navio russo "Yaroslav Mudryi". As ações dos marinheiros americanos violaram grosseiramente as regras internacionais e os acordos russo-americanos, observou o departamento.

    "Na parte oriental do Mar Mediterrâneo, o destróier estaduniense “Gravely” permitiu a abordagem perigosa de um navio de guerra russo a uma distância de 60-70 metros no lado esquerdo e cruzou os movimentos do "Yaroslav Mudryi" na proa a uma distância perigosa de 180 metros", diz o comunicado do Ministério da Defesa.

    Os militares ressaltaram que o navio russo "seguia um curso constante em águas internacionais com velocidade constante e não realizou qualquer manobra perigosa contra o navio norte-americano”.

    Tags:
    navio-patrulha, destróier, Ministério da Defesa (Rússia), Pentágono, Rússia, EUA, Mar Mediterrâneo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik