09:26 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 22
    Nos siga no

    O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, declarou nesta terça-feira (28) que os efeitos de curto prazo da decisão dos britânicos de sair da União da Europeia estão sendo contidos, mas há incertezas sobre o crescimento global futuro.

    “Acredito que o cenário global é desafiador. Vamos enfrentar volatilidade e choques aos longos dos anos. O choque mais recente é o chamado Brexit (saída dos britânicos da União Europeia”, disse Goldfajn, citado pela Agência Brasil. 

    O presidente do Banco Central disse que o Brexit traz implicações principalmente no comércio e no crescimento global. “Ainda não estão totalmente mapeadas a consequências para o futuro. Há que se observar o impacto no mundo e por consequência no Brasil. Deve reduzir, de alguma forma, o crescimento global e pode influenciar o crescimento no Brasil”, disse.

    Goldfajn afirmou que os bancos centrais de 60 países, reunidos no último final de semana, se comprometeram a monitorar os efeitos do Brexit e usar instrumentos que forem necessários.

    Em plebiscito realizado no último dia 23, cidadãos britânicos decidiram, por maioria de 52%, a saída do Reino Unido da União Europeia. O resultado da consulta foi divulgado nas primeiras horas da manhã da última sexta-feira (24).


    Mais:

    Líder alemã comenta Brexit: continuamos parceiros
    Japão quer minimizar impacto do Brexit colaborando com G7
    Merkel, Hollande e Renzi definem prioridades da UE pós-Brexit
    TTIP continua sendo prioridade para Obama apesar do Brexit, diz Casa Branca
    Itália e França pedem reforma da UE após o Brexit
    Tags:
    Brasil, União Europeia, Banco Central, Brexit, economia, crescimento econômico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar