03:02 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Aviões da Força Aérea F-22 Raptors e F-15 Eagles na base aérea de Kadena, Okinawa, Japão (foto de arquivo)

    Serviço militar e álcool são inseparáveis de novo

    © AP Photo / Greg Baker
    Mundo
    URL curta
    4110
    Nos siga no

    As restrições ao consumo de bebidas alcoólicas que foram introduzidas no começo deste mês para os militares norte-americanos nas bases no Japão foram levantadas apesar de os incidentes fora das bases em Okinawa continuarem.

    O comando da sétima frota da Marinha de Guerra dos EUA publicou no seu site a declaração do almirante Matthew Carter, segundo o qual o comportamento dos marinheiros norte-americanos no Japão atualmente é irrepreensível. Por isso, após a proibição do consumo de álcool fora das instalações dos EUA no Japão, a partir de 6 de junho os militares são autorizados a beber fora de bases, até às 22h00.

    Entretanto, na noite para o domingo (26) uma militar norte-americana foi detida depois de ter provocado a colisão com um veículo em uma estrada, cujo motorista foi levado para hospital. A polícia fez testes e detectou nível elevado de álcool no seu sangue.

    Um caso análogo aconteceu no início de junho, quando uma outra militar norte-americana foi detida por condução em estado de embriaguez. A militar provocou também um acidente rodoviário, no qual ficaram feridos dois japoneses.

    As restrições em relação ao consumo de álcool em bases militares foram introduzidas depois de um militar norte-americano ter sido detido por ter alegadamente abusado e assassinado uma menina japonesa.

    Em 19 de junho na cidade de Naha (capital de Okinawa) foram realizados protestos contra  as bases norte-americanas em Okinawa.

    O governador da província de Okinawa, Takeshi Onaga, disse aos jornalistas que não faz sentido expressar a sua indignação porque os EUA prometem repetidamente aumentar a disciplina mas nada se altera.

    Tags:
    protestos, restrições, soldados, álcool, bases militares, Marinha, Okinawa, EUA, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar