05:53 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Nesta foto de 21 de junho de 2016, um policial do Afeganistão olha a cidade de Cabul, capital do país, de uma elevação

    Quem quer Rússia de volta ao Afeganistão?

    © AP Photo/ Rahmat Gul
    Mundo
    URL curta
    192548214

    O Departamento de Estado dos EUA não se vai manifestar contra a participação russa das negociações sobre a paz no Afeganistão.

    No entanto, a presidência do Afeganistão admite a importância da parceria com a Rússia no combate às drogas e ao terrorismo.

    Eis as palavras de Shah Hosein Mortazavi, vice-secretário de imprensa do presidente afegão: "Resta perguntar à própria Rússia se ela está pronta para esta cooperação."

    De acordo com Igor Morozov, membro do Comitê de Assuntos Internacionais do Conselho da Federação (câmara alta do parlamento russo), a participação russa do processo de paz no Afeganistão é um processo objetivo que ressalta o significado geopolítico da Rússia.

    Em entrevista à Sputnik, Morozov disse que "o atual governo do Afeganistão precisa encontrar pontos de contato com o governo do Paquistão e, antes de tudo, encontrar o lugar do movimento Talibã neste processo de negociações".

    O Talibã é um movimento radical islamista que é proibido na Rússia. Mas, "hoje em dia, está claro que sem esta força será extremamente difícil avançar nestas negociações". O Talibã governou oficialmente o Afeganistão entre 1996 e 2001. Naquela época, o país se chamava "Emirado Islâmico do Afeganistão".

    Em 2 de março de 2016, o general do exército dos EUA John W. Nicholson assistiu à cerimônia de inauguração do novo comando da missão Resolute Support em Cabul
    © AP Photo/ Rahmat Gul
    Em 2 de março de 2016, o general do exército dos EUA John W. Nicholson assistiu à cerimônia de inauguração do novo comando da missão Resolute Support em Cabul

    É notável que Moscou não pediu para ser incluída neste formato de negociações, que passa a ser um "quarteto". Antes, os participantes eram, além do próprio Afeganistão, os EUA e a China. O Paquistão, onde o Talibã tem apoiantes, não participa do processo de paz devido a umas divergências históricas com o Afeganistão. No ano passado, a participação da China por pouco que não provocou uma mudança séria no decorrer do conflito.

    Mais:

    Exame genético confirma morte de líder do Talibã
    Hezbollah anuncia eliminação de 600 terroristas em Aleppo desde início de junho
    Ataques separados com bombas matam pelo menos 22 no Afeganistão
    Afeganistão comemora decisão americana de atacar Talibã
    Apesar dos ataques, EUA defendem reconciliação entre Talibã e governo no Afeganistão
    EUA pretendem intensificar ataques aéreos contra o movimento Talibã no Afeganistão
    Nada é sagrado: terroristas continuam ataques apesar do Ramadã
    Tags:
    Talibã, Departamento de Estado dos EUA, Rússia, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik