23:44 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Fronteira turco-síria, fechada do lado turco, na madrugada da segunda-feira, dia 8

    Jihadistas sequestram quase mil pessoas na província síria de Aleppo

    © AP Photo/ Lefteris Pitarakis
    Mundo
    URL curta
    149104

    Militantes do Daesh (grupo terrorista, proibido na Rússia) invadiram várias aldeias próximas das cidades de Al Bab e Manbij, na província síria de Aleppo, e sequestraram mais de 900 dos seus habitantes, informou uma fonte curda.

    Também foi relatado que os jihadistas obrigaram um grupo de sequestrados a cavar trincheiras, enquanto utilizavam outros como escudo humano.

    Segundo a fonte, os sequestrados são provenientes de 15 aldeias próximas de Al Bab e Manbij.

    Outras fontes locais disseram que o Daesh recuperou o controle sobre Al Rai, uma cidade na fronteira entre a Síria e a Turquia, um dia depois de ter sido tomada pelo Exército Livre Sírio, com o apoio da aviação da coalizão internacional liderada pelos EUA e da artilharia turca.

    As Forças Democráticas da Síria (FDS), formadas em sua maioria por milícias curdas e apoiadas pela coalizão internacional, atacaram Manbij, sendo esta cidade considerada como um dos principais centros dos terroristas a norte de Aleppo, através do qual eles recebem armas e financiamento.

    A cidade fica a cerca de 360 quilômetros a norte de Damasco e a cerca de 80 quilômetros a leste de Aleppo, o assalto é difícil porque o Daesh está usando mais de 100.000 habitantes desta área como escudo humano.

    As FDS conseguiram tomar sob seu controle o distrito de Al-Katib nos acessos oeste a Manbij.

    Mais:

    Rússia: soldados russos dados como mortos pelo Daesh e pela mídia ucraniana estão vivos
    Ataque do Daesh em Raqqa termina com uso de armas químicas
    Derrotas militares no Oriente Médio obrigam Daesh a se focar na Europa
    ONU denuncia Daesh por genocídio, crimes de guerra e contra humanidade
    Tags:
    sequestro, jihadistas, terrorismo, Daesh, Aleppo, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik