17:49 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 101
    Nos siga no

    Recentemente, divisões chinesas e indianas se aproximaram perigosamente da linha de controle real entre os dois países, entre o estado indiano de Arunchal Pradesh e a China.

    Além disso, de acordo com relatos da imprensa indiana, esta semana um bombardeiro chinês JH-7 violou o espaço aéreo da Índia. O especialista militar Vasily Kashin comenta a situação para a Sputnik.

    Do ponto de vista indiano, a unidade chinesa, realizando exercícios, violou a linha de controle real em quatro lugares ao mesmo tempo no estado de Arunchal Pradesh. Mas do ponto de vista chinês, Pequim não violou a linha do controle permanecendo em "seu território".

    Pode ser que seja verdade, pois não teve lugar qualquer demarcação da linha, e mesmo a mídia indiana fala sobre "a suposta linha de controle". Nesta situação, é muito fácil violar tantas fronteiras não oficiais durante exercícios militares.

    Esta explicação parece bastante plausível, porque na esfera das relações bilaterais nada aconteceu que prenunciasse um grave incidente fronteiriço.

    Em 23-24 de junho, a cidade de Tashkent, capital do Uzbequistão, vai acolher a cúpula da Organização para Cooperação de Xangai, onde será assinado um memorando sobre a adesão da Índia e do Paquistão a este instituto. Além disso, os países vão ter múltiplas negociações. Nomeadamente, a Índia espera assegurar a obtenção de uma concordância da Coreia do Norte para ser incluída no grupo de exportadores nucleares.

    As disputas territoriais são perigosas só pela sua simples existência. Mesmo em uma situação em que os governos de dois países têm relações amigáveis, tais disputas alimentam sentimentos nacionalistas em uma parte da sociedade e criam a ameaça de crises súbitas. Nesta situação, é particularmente importante alcançar o nível máximo possível de transparência e confiança mútua na esfera militar.

    Provavelmente, faz sentido para a China e para a Índia repetir o caminho que foi percorrido na década de 1990 pela China e Rússia.

    Após a normalização das relações em 1989, Moscou e Pequim têm trabalhado duro para fortalecer a confiança na esfera militar, culminando com a assinatura do acordo de 1997 sobre redução de tropas na zona fronteiriça entre a Rússia, a China, o Tajiquistão, o Cazaquistão e o Quirguistão. O acordo estabeleceu não apenas o limite do número de tropas na zona de 100 km ao longo da fronteira, mas também introduziu um mecanismo de inspeções mútuas e prescreveu procedimentos especiais para informação respectiva sobre a realização de exercícios e movimentos de tropas.

    Este é um exemplo de um dos acordos mais bem sucedidos sobre redução de tropas e reforço da confiança mútua na esfera militar, atingido por dois grandes países com uma significativa fronteira terrestre.

    É particularmente importante que, no momento da conclusão do acordo, a Rússia, a Ásia Central e a China ainda não tenham resolvido suas disputas territoriais. Para resolver questões territoriais por vezes é necessária uma série de condições relacionadas com a existência do apoio público necessário para o compromisso. Mas para aumentar a confiança na esfera militar apenas é necessária a vontade política dos dois governos.

    Provavelmente, o aproveitamento de uma experiência positiva permitiria à China e à Índia evitar no futuro incidentes semelhantes.

    Tags:
    fronteira, Organização de Cooperação de Xangai (SCO), Coreia do Norte, Índia, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar