00:52 21 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 21
    Nos siga no

    A OTAN não possui uma estratégia bem definida para condução de uma guerra cibernética. A aliança ainda nem começou a desenvolver um plano de resposta no ciberespaço, escreveu o New York Times.

    “Por enquanto estão acontecendo conferências frequentes e publicação de documentos, no entanto não há planos militares consistentes”, escreve o jornal, ao comentar as atividades da OTAN no ciberespaço. O jornal destacou a ausência de “mecanismos estabelecidos para mobilização do comando cibernético dos EUA, ou do seu equivalente britânico”. Segundo afirma o jornal, o bloco militar ainda está para desenvolver algum tipo de esponta às atividades da Rússia no ciberespaço.

    Apesar disso, argumenta a publicação, o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, adotou um “posição tímida e, muitas vezes, defensiva”, quanto às necessidades de evolução da OTAN no ciberespaço. Assim, na semana passada, durante uma entrevista ao Spiegel, ele mencionou somente troca de informações e de experiências de especialistas, e não mencionou nenhuma estratégia de contenção preventiva — algo em desenvolvimento em muitos países.

    “Isso soou como uma estratégia do século passado”, afirmou o jornal.

    Mais cedo, esta semana, Stoltenberg também afirmou que a OTAN cogita usar armamentos convencionais como resposta aos ciberataques.

    Mais:

    OTAN classifica ciberespaço como domínio operacional de guerra
    Maior parte dos países com armas nucleares possui sistemas vulneráveis a ciberataques
    Relatório da ONU sobre ciberespaço poderá ser um passo para uma convenção
    Tags:
    guerra cibernética, cibersegurança, ciberespaço, ciberataque, OTAN, Jens Stoltenberg
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar