03:39 18 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Daesh executa crianças-soldados no Iraque

    ONU denuncia Daesh por genocídio, crimes de guerra e contra humanidade

    © AP Photo / Manu Brabo, File
    Mundo
    URL curta
    Crueldades do Daesh (33)
    201

    A Organização das Nações Unidas (ONU) denunciou nesta quinta-feira (16)o grupo terrorista Daesh de praticar crimes de genocídio, de guerra e contra a humanidade, informou Agência Brasil.

    Soldados do Exército governamental e milícias da Síria nos arredores de Al Qaryatayn, na província de Homs, Síria, 3 de abril de 2016
    © Sputnik / Mikhail Voskresensky
    A acusação legal faz parte de uma denúncia feita pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, presidente da comissão de inquérito da ONU sobre crimes na Síria.

    Em seu relatório, Pinheiro pediu que os delitos do Daesh sejam levados para cortes internacionais e que o Conselho de Segurança faça uma intervenção para salvar a minoria religiosa yazidi, uma das mais afetadas pelas ações do grupo armado. 

    Com tradição milenar, os yazidis são considerados “infiéis” pelo Estado Islâmico, que adota táticas de perseguição e assassinato contra as minorias religiosas e étnicas que não sigam a vertente sunita do Islã. A ONU estima que cerca de 400 mil yazidis viviam na Síria e no Iraque em agosto de 2014, mas que milhares já foram sequestrados, torturados, vendidos ou mortos.

    Tema:
    Crueldades do Daesh (33)

    Mais:

    EUA bloqueiam proposta da Rússia de incluir Estado Islâmico em lista negra da ONU
    Brasil se manifesta sobre resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre Estado Islâmico
    Daesh mantém 3,5 mil pessoas como escravos no Iraque
    Daesh executa 9 crianças-soldados em Fallujah
    Daesh executa dezenas de civis na costa da Líbia
    Daesh executa 7 civis em gaiolas mergulhadas em piscina de Mossul
    Tags:
    genocídio, crimes contra a humanidade, crimes de guerra, Daesh, ONU, Paulo Sérgio Pinheiro, Iraque, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar