11:18 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Mecânico de tanque das milícias independentistas de Donetsk

    Defesa da Ucrânia já custou a Washington mais de USD 600 milhões

    © AP Photo/ Vadim Ghirda
    Mundo
    URL curta
    303

    O volume do apoio militar concedido por Washington a Kiev desde 2014 é de aproximadamente 600 milhões de dólares (2 bi BRL), disse Ashton Carter, secretário da Defesa norte-americano durante o encontro com seu homólogo ucraniano Stepan Poltorak.

    De acordo com informações divulgadas pela assessoria de imprensa do Pentágono o encontro teve lugar em Bruxelas.

    "Os Estados Unidos concederam mais de 600 milhões de dólares desde 2014, inclusive para o programa de treinamentos para aumentar o potencial de defesa da Ucrânia, o fornecimento de equipamentos para necessidades operacionais das forças de segurança, além da assistência de conselheiros que ajudaram nas reformas-chave da segurança", diz o comunicado.

    Carter avaliou ainda positivamente "o programa ambicioso de reforma integral da segurança" da Ucrânia, assim como reiterou a disposição dos EUA em prestar assistência a Kiev tanto no âmbito da cooperação bilateral, como através da OTAN.

    As partes discutiram ainda a situação no leste da Ucrânia. O chefe do Pentágono fez notar que os EUA e os aliados se declaram favoráveis ao cumprimento integral dos Acordos de Minsk e respeitam a integridade territorial da Ucrânia nas fronteiras reconhecidas pela comunidade internacional. Ele adiantou ainda que Washington não reconhece, até hoje, "a tentativa russa de anexação da Crimeia".

    Mais:

    Será que OTAN vai fornecer armas à Ucrânia?
    Opinião: dependência do FMI pode custar caro à Ucrânia
    Kiev sabota acordos de Minsk: prazo indicado por Washington é inviável
    Donetsk acusa Kiev de realizar 3,5 mil disparos em uma semana
    Tags:
    segurança, encontro, defesa, apoio, militar, Acordos de Minsk, OTAN, Pentágono, Stepan Poltorak, Ashton Carter, Kiev, Washington, Crimeia, Bruxelas, Ucrânia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik