16:43 18 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidente da Rússia Vladimir Putin junto com o então presidente português Cavaco Silva em Lisboa, 25 de outubro 2007

    Embaixador de Portugal: não há razão para sanções

    © AFP 2017/ ALEXANDER NEMENOV
    Mundo
    URL curta
    Konstantin Kuznetsov, Ekaterina Kozlova
    7101

    O embaixador de Portugal na Rússia, Mário Godinho de Matos, concedeu um comentário à Sputnik tocando os temas mais agudos da agenda atual.

    Bandeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)
    © AP Photo/ Armando Franca
    Bandeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

    As declarações foram feitas nesta terça-feira (15) nos corredores de um evento comemorativo do 20º aniversário da criação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que teve lugar no Instituto de África da Academia de Ciências da Rússia, em Moscou.

    Além disso, já existe um entendimento mútuo sobre uma próxima entrevista mais ampla à nossa agência. Por enquanto, apresentamos a íntegra da conversa.

    Sputnik: Na mídia portuguesa nós não conseguimos encontrar uma reação oficial das autoridades portuguesas sobre o atual processo de impeachment no Brasil. Então, o senhor pode comentar o assunto?

    Mário Godinho de Matos: O processo do impeachment do Brasil é um processo interno brasileiro, portanto nós não temos como nos pronunciarmos sobre coisas internas brasileiras. Esperamos que o processo se desenvolva, chegue ao seu fim, parece que há uns limites temporais, um prazo.

    Quando chegarmos ao fim do prazo e quando a sociedade brasileira e seus representantes políticos resolverem os seus problemas, nós estaremos em condições de continuar a dialogar com as autoridades brasileiras, como sempre fizemos. Não queremos manifestar qualquer opinião sobre problemas internos brasileiros.

    S: O que o senhor acha da possibilidade das sanções que a UE poderá aplicar a Portugal e Espanha por causa do défice excessivo?

    MGM: Sanções a Portugal, sim, é um tema de que se fala, que se tem ouvido nos noticiários, nós não vemos nenhuma razão para Portugal ser sancionado, porque aqui fizemos um grande esforço de adaptação econômica, de redução de défice.

    Estamos neste momento num processo de consolidação desse grande esforço que foi feito e achamos que, como têm dito várias vezes os responsáveis portugueses, que não há razão nenhuma para sanções, mas, enfim, esse é mais um assunto que será longamente discutido em Bruxelas e para cujo debate nós queremos contribuir.

    S: Como Portugal pode contribuir para a normalização das relações entre a Rússia e a União Europeia, nomeadamente na questão do levantamento das sanções econômicas?

    MGM: É outro assunto, também, a ser abordado na Sede em Bruxelas, mas nós desenvolvemos com a Rússia uma relação bilateral muito intensa, vamos ter, por exemplo, agora no fim de junho a comissão mista bilateral, portanto, continuamos a desenvolver uma atividade bilateral de grande intensidade, como eu disse.

    A outra questão, uma questão que tem a ver com 28 países que será aflorada na Sede da União Europeia em Bruxelas e para a qual nós também contribuiremos com a nossa intervenção.

    Mais:

    Portugal integra forças da OTAN junto da fronteira russa
    Tags:
    embaixador, CPLP, Portugal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik