12:30 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Amigos e familiares de vítimas em Orlando perto do clube Pulse após o tiroteio. 12 de junho, 2016

    Chefe da polícia de Orlando: atirador declarou lealdade aos terroristas do Daesh

    © REUTERS / Steve Nesius
    Mundo
    URL curta
    Massacre em boate nos EUA (25)
    0 01
    Nos siga no

    John Mina, o chefe da polícia da cidade americana de Orlando, estado de Flórida, que continua em choque após tiroteio e tomada de reféns no domingo, informou que o criminoso declarou lealdade ao grupo Daesh (proibido na Rússia).

    ​"Havia fidelidade ao Estado Islâmico [Daesh]" quando o atirador estava falando por telefone com o 911 durante a situação de reféns, informou o chefe policial.

    Ainda segundo ele, o atirador tentou negociar com a polícia, dizendo que estava usando um colete com explosivos.

    ​Durante as conversações com a polícia, Omar Mateen, cidadão americano que, de acordo com últimos dados, causou a morte de 49 pessoas no clube Pulse, "não estava pedindo muito. Nós estávamos fazendo a maior parte do que ele estava pedindo," disse John Mina.

    Ele informou igualmente que a polícia forçou o atirador a parar com os tiros e recuar a um banheiro com os reféns após o tiroteio.

    Enquanto, infelizmente, este já não é o primeiro caso de troca de tiros nos Estados Unidos, este se tornou no mais mortal na história, com maior número de vítimas mortais que o incidente de 2007 no Instituto Politécnico e Universidade Estadual da Virgínia que ceifou as vidas de 32 pessoas.

    Tema:
    Massacre em boate nos EUA (25)

    Mais:

    Daesh assume autoria de atentado em Orlando
    Tags:
    vítimas, tiroteio, Daesh, EUA, Orlando
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar