22:40 09 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    108
    Nos siga no

    A Organização das Nações Unidas excluiu temporariamente a coalizão militar liderada pela Arábia Saudita da lista de responsáveis pela morte de crianças no Iêmen, segundo informou nesta segunda-feira o porta-voz da ONU.

    Anteriormente, a organização havia apresentado um informe denunciando supostas atrocidades que teriam sido cometidas por Riad e seus parceiros no país, acusando a coalizão de ser responsável por 60% das 785 mortes registradas ao longo do último ano, inclusive com ataques diretos contra escolas e hospitais do Iêmen. 

    Desde 2014, o Iêmen tem sido o cenário de um violento conflito entre forças do governo liderado pelo presidente sunita Abd Rabbuh Mansur Hadi e os rebeldes xiitas houthis, apoiados por unidades militares leais ao ex-presidente Ali Abdullah Saleh, zaidita (xiita).

    No final de março do ano passado, uma coalizão internacional liderada pela Arábia Saudita (sunita) lançou uma campanha de bombardeios contra as posições houthis no Iêmen, a pedido de Hadi e com apoio dos EUA e de países europeus. Mais de três mil civis teriam sido mortos em decorrência desses ataques, segundo dados das Nações Unidas. De acordo com os rebeldes, no entanto, esses números seriam três vezes maiores.

    Mais:

    ONU coloca coalizão saudita no Iêmen em lista de assassinos de crianças
    Homens-bomba atacam centro de recrutamento militar no Iêmen
    Arábia Saudita intercepta míssil lançado do Iêmen
    Pentágono diz que tropas dos EUA permanecerão no Iêmen
    Tags:
    houthis, Ali Abdullah Saleh, Abd Rabbuh Mansur Hadi, Iêmen, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar