17:23 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    6132
    Nos siga no

    A Rússia tem sido muitas vezes suspeita, se não acusada abertamente, de tentar semear a discórdia entre os países membros da UE, com alguns até dizendo que o Kremlin supostamente quer que a União Europeia colapse.

    "O objetivo de Putin é promover a desintegração da União Europeia", proclamou George Soros no início deste ano.

    Bandeiras da Rússia e da UE
    © Sputnik / Vladimir Sergeev
    Um olhar mais atento às prioridades e preocupações geopolíticas de Moscou mostra que ela provavelmente quer precisamente o contrário.

    Tudo se resume a visão da Rússia sobre a segurança nacional, escreveu Mary Dejevsky no Financial Times. Na sua opinião, Moscou tem a certeza de que a estabilidade regional é um dos elementos-chave que ajudam a manter a Rússia segura.

    "A prioridade absoluta para o Kremlin tem sido a segurança da Rússia, e a estabilidade regional é vista como uma condição para isso", observa ela.

    Muitos russos se lembram como o colapso da União Soviética e a dissolução da Jugoslávia alteraram a paisagem social e política na Eurásia, cortando os laços existentes durante décadas e jogando algumas regiões do antigo espaço soviético no caos. É altamente improvável que a Rússia queira novamente experimentar a instabilidade política daqueles anos.

    Além disso, há preocupações mais práticas.

    "Em termos práticos, a Rússia aprecia a solidez da União Europeia e a conveniência de lidar com uma área de comércio consolidada. Moscou foi seriamente abalada quando a moeda única parecia estar em risco — ao ponto de oferecer apoio financeiro ao Banco Central Europeu. Ela viu o colapso do euro como uma ameaça também para a Rússia", explica ela.

    A UE, acrescenta a autora, tem servido como inspiração para a União Econômica da Eurásia, liderada por Moscou e que quer utilizar os laços econômicos estabelecidos na era soviética. Fundada em 2015, a União Econômica é composta pela Rússia, Bielorrússia, Cazaquistão, Armênia e Quirguistão.

    Esta união oriental "deveria ser um parceiro para a UE, não um concorrente", observa Mary Dejevsky.

    Dado que a Rússia não quer que a UE se desmorone, o mais provável é que Moscou se oponha a tudo o que possa abalar os fundamentos da União Europeia, incluindo o Brexit.

    Mais:

    Vice-ministro dos EUA visitará UE para discutir prorrogação das sanções anti-russas
    Enviado da UE: União Europeia está interessada na retirada das sanções contra Rússia
    Tags:
    Rússia, UE
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar