06:08 17 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Casa Rosada em Buenos Aires

    Macri 'apaga' os vestígios do passado na Casa Rosada

    © flickr.com/ Christian Haugen
    Mundo
    URL curta
    5411

    Mauricio Macri está trabalhando a todo o vapor para acabar com todos os vestígios dos seus antecessores na Casa Rosada.

    Ao chegar à Casa Rosada, em fevereiro, Macri já tinha feito duas coisas, consideradas "iconoclastas". A primeira foi colocar na cadeira do escritório presidencial o cachorro Balcarce, talismã da sua campanha presidencial. A segunda foi remover do escritório dois grandes retratos a óleo: o do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, que morreu em março de 2013 aos 58 anos de idade, e o do marido de Cristina Kirchner, o ex-presidente argentino Néstor Kirchner, que morreu em 2010 aos 60 anos. Mas o seu desejo de apagar o passado recente não parou aí. Ele anunciou que vai retirar todos os retratos existentes no local.

    Na Argentina, a alternância de poder entre peronistas e não peronistas sempre assume traços de "mudança radical". Os peronistas sempre tentam reinterpretar a História do país à imagem e semelhança do movimento (os ídolos, as vítimas, as datas simbólicas), enquanto os que lhes sucedem tentam apagar esses traços.

    ​Além dos retratos dos presidentes venezuelanos, o atual chefe de Estado quer remover os retratos dos líderes históricos da América Latina, entre eles Che Guevara, Juan Domingo Perón e outros. A coleção será transferida da Casa Rosada para o Espaço da Memória e dos Direitos Humanos.

    Recentemente, ele declarou que escritório presidencial mais parece um museu do que um local de trabalho e substituiu os retratos por pinturas modernas e fotografias de Buenos Aires. Os retratos fazem parte da Galeria dos Patriotas Latino-americanos, inaugurada em 2010 pela ex-presidente da Venezuela Cristina Kirchner, que por sua vez removeu a estátua gigantesca de Cristóvão Colombo, dizendo que ele foi um "um imperialista invasor". A estátua foi substituída por uma heroína da guerra da independência da Bolívia, Juana Azurduy.

    A decisão de Macri faz parte de seu esforço para acabar com os símbolos políticos herdados. Já ordenou alterar as notas com o retrato de Evita Perón, substituindo-o por vários animais típicos da Argentina.

    Outra vítima da "deskirchnerização" foi a sala em homenagem a Néstor no Centro Cultural Kirchner, organizada pela esposa, uma instalação que mostrava o passado do ex-presidente por meio de fotos e depoimentos. Após a desmontagem da exposição, Macri colocou lá uma homenagem ao escritor Jorge Luis Borges.

    ​Também alguns dias atrás foi publicado um documento, com 223 páginas, chamado "O Estado do Estado", em que o novo presidente revela como encontrou todas as áreas da governação após o fim do mandato de Cristina Kirchner. Para além de ser um diagnóstico, o documento, cujo texto foi publicado no site oficial da Casa Rosada, inclui diversas denúncias como, por exemplo, a de que "a Casa da Moeda passou de 874 trabalhadores em 2010 para mais de 1700 em 2015".

    Resta-nos adivinhar qual será o conteúdo de um futuro documento semelhante quando a era de Maurício Macri chegar ao fim.

    Mais:

    Argentina solicitou ao Panamá informações sobre empresas offshore do presidente Macri
    América Latina treme com terremotos no México e na Argentina
    Chanceler: Rússia é parceira estratégica da Argentina
    EUA abrem arquivos secretos do envolvimento americano na ditadura militar argentina
    Brasil, Argentina e Bolívia buscam maior integração energética
    Tags:
    presidência, monumentos históricos, líderes, retrato, Casa Rosada, Cristina Kirchner, Mauricio Macri, América Latina, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar