16:23 26 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    17160
    Nos siga no

    Hua Chunying, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, disse que declarações equivocadas feitas seguidamente pelos EUA demonstram grande interferência nas relações internas chinesas e violam normas básicas de relações internacionais.

    O Ministério das Relações Exteriores da  China expressou grande insatisfação neste sábado com o pedido americano para que fosse revelado o número de vítimas do protesto na Praça da Paz Celestial.

    Na sexta-feira, o Departamento de Estado americano afirmou que Washington estava preocupada com as violações de direitos humanos de Pequim. A declaração veio pouco dias antes do 27º aniversário dos eventos trágicos na Praça da Paz Celestial, em 4 de junho de 1989. Na ocasião, um protesto na capital chinesa foi dispersado pelo Exército, que deixou centenas de mortos e milhares de feridos, segundo estimativas oficiais.

    “O governo chinês deu seu veredicto final sobre a turbulência política que ocorreu no fim dos anos 1980, bem como sobre outros fatos relevantes ao evento… A China expressa sua insatisfação e resoluta oposição”, disse o porta-voz do Ministério Hua Chunying, citado pela agência de notícias Xinhua.

    Cerca de 125 mil pessoas se reuniram em Hong Kong, neste sábado, para lembrar das vítimas do protesto na Praça da Paz Celestial.

    Mais:

    Viva o diálogo! Ministro da Defesa japonês planeja visitar a China
    Ashton Carter alertou China da ‘Grande Muralha de auto-isolamento’ na área de segurança
    China faz xeque-mate a Washington no palco global
    Tags:
    interferência, vítimas, diplomacia, Praça da Paz Celestial, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar